Menu

Empresa lista os seis maiores mitos sobre bitcoin

Empresa lista os seis maiores mitos sobre bitcoin

Ao contrário do que se pensa, a moeda digital é rastreável, segura e não se baseia em mera especulação

Segundo uma recente pesquisa da ConsenSys, o Brasil registra, no mundo todo, o maior domínio de buscas pela palavra "Bitcoin" (88%) em relação a "Ethereum" (4%), "Criptomoedas" (1%) e "Blockchain" (7%). Além de o dado representar um forte indício do interesse brasileiro por este mercado, ele ainda serve de estímulo para que as pessoas tenham acesso a uma educação financeira correta sobre o assunto.

De fato, a falta de conhecimento pode afastar as pessoas desse tipo de investimento e contribuir para disseminar informações incorretas. Para desfazer mal entendidos e tirar as dúvidas sobre o assunto, Daniel Coquieri, que é COO da BitcoinTrade, explica abaixo os 6 principais mitos sobre Bitcoin.

Bitcoin não é rastreável

As transações com Bitcoins podem sim ser rastreadas. As técnicas para isso são as mesmas usadas para rastrear um e-mail ou outras informações digitais. Em todo caso, quem investe em Bitcoin em algum momento vai querer transformar suas criptos em moedas tradicionais, como dólar ou real. Para isso, a pessoa precisará ter uma conta em uma exchange (onde serão exigidos dados pessoais) e ainda terá de declarar este criptoativo para a Receita Federal.

Bitcoin é ilegal

Apesar de ainda não existir uma regulação específica para criptomoedas no Brasil, é incorreto dizer que a operação com Bitcoins é ilegal. A moeda pode ser inclusive usada como pagamento de vários produtos e serviços (como viagens, imóveis, jóias, diárias em hotels, ingressos para shows, roupas, entre outros) e ainda deve ser declarada no Imposto de Renda. Certamente, nem todos os estabelecimentos aceitam compras com Bitcoins, mas esta é uma tendência que tem ganhado cada vez mais a atenção do comércio.

Bitcoin é baseado em mera especulação

Assim como um metal precioso, o Bitcoin também é finito, pois sabemos que ele é limitado a 21 milhões de unidades. Não é à toa que a criptomoeda é chamada de "ouro digital". Por isso mesmo, o valor do Bitcoin está vinculado a esta oferta e pode ainda sofrer alterações com base em fatores que não apenas especulação, como planos de regular a moeda digital, comentários de políticos sobre o assunto e a chegada de novos criptoativos no mercado, entre outros.

É necessário ter o valor inteiro de um Bitcoin para começar a investir

Na verdade, é possível começar a investir em porções pequenas de um Bitcoin. Cada corretora do mercado estipula o valor mínimo para realização de aplicações. Nesse sentido, geralmente é possível começar investindo com valores pequenos, de R$50 a R$100, que irá permitir que o usuário compre algumas frações de Bitcoin.

Investir em Bitcoin não é seguro

O Bitcoin funciona com base na tecnologia do blockchain, que é uma cadeia de blocos de informações na qual as transações são compiladas de forma criptografada, como em um "livro contábil" que registra os valores que são enviados e recebidos. Dessa maneira, esses dados ficam armazenados em várias "bibliotecas" diferentes, fazendo com que seja muito difícil apagá-las.

Para acessar um bloco, é necessário decifrar seu algoritmo e também o do bloco anterior, que precisaria do antecedente e assim em diante. O blockchain ainda é público, o que significa que todas as pessoas podem ter acesso às transações e também auditá-las.

A segurança da Rede Bitcoin ainda pode ser confirmada pelo fato de nunca ter sido hackeada desde sua criação, em 2009. Dados do blockchain ainda permitem afirmar que, atualmente, a criptomoeda é oito vezes mais poderosa em termos de segurança do que no final de 2017, quando o Bitcoin foi cotado em torno de US$ 20 mil.

Bitcoin é um esquema de pirâmide

Em um esquema de pirâmide, não há nenhum ativo envolvido e o dinheiro se acumula de acordo com a entrada de novos membros, que sustentam os ganhos dos mais antigos. O Bitcoin, por sua vez, funciona em uma lógica bem diferente. Trata-se de uma moeda virtual, com estoque finito com cotação altamente volátil, e que pode ser comprada e vendida, do mesmo modo que outras moedas no mundo.

Para investir com segurança em criptomoedas, é importante estudar sobre o mercado, avaliar riscos e procurar por uma corretora segura, que ajude a tirar dúvidas sobre o assunto. A BitcoinTrade, por exemplo, é uma corretora voltada integralmente para o mercado brasileiro e foi a primeira do país a oferecer padrão de certificação PCI DSS, que prevê a proteção dos dados dos usuários. A empresa investe em políticas específicas de KYC (da sigla em inglês para "conheça seu cliente") e faz uma análise dos dados de cada investidor no momento de cadastro na plataforma, além de reportar transações de alto volume ao Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes