Finanças - Executivos Financeiros - Executivos Financeiros http://executivosfinanceiros.com.br Tue, 25 Jun 2019 03:52:45 +0000 Joomla! - Open Source Content Management pt-br Bradesco lidera o ranking das marcas mais valiosas do Brasil http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6897-bradesco-lidera-o-ranking-das-marcas-mais-valiosas-do-brasil http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6897-bradesco-lidera-o-ranking-das-marcas-mais-valiosas-do-brasil Bradesco lidera o ranking das marcas mais valiosas do Brasil

O Itaú também escalou uma posição e se colocou na vice-liderança, com um crescimento de 35% do seu valor de marca

O grupo WPP e a Kantar divulgaram o novo ranking das 60 marcas mais valiosas do Brasil. Neste ano, a liderança fica com o Bradesco seguido por outro banco, o Itaú. Com esse resultado, os bancos lideram a lista e juntas somam $18,96 bilhões, um aumento de 29% de todo o setor em relação ao ano 2018.

O Bradesco passou do segundo ao primeiro lugar do ranking, depois de um crescimento de 35% do seu valor de marca. O Itaú também escalou uma posição e se colocou na vice-liderança, com um incremento semelhante. O melhor desempenho em comparação ao ano anterior foi do Banco do Brasil, que subiu 18 posições e colocou seu valor em $806 bilhões, como consequência de 90% de acréscimo no seu brand value.

Segundo Eduardo Tomiya, diretor executivo da Kantar Brasil, esse desempenho se deve, em parte, ao investimento em tecnologia, com a implantação da inteligência artificial, dos pagamentos por aproximação nas diversas plataformas mobile disponíveis, além da melhora na experiência do cliente, algo que os consumidores solicitavam há algum tempo já.

“Com a chegada das fintechs (startups do setor financeiro), que vieram ao mercado oferecendo várias novidades tecnológicas de forma gratuita aos clientes, os bancos tradicionais se apoiaram no seu forte brand equity para implementar as mudanças tecnológicas necessárias como reação a essa nova situação”, afirma o executivo.

 

]]>
Finanças Mon, 24 Jun 2019 00:00:00 +0000
Red Ventures lança startup Azulis com foco em pequenas empresas http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6882-red-ventures-lanca-startup-azulis-com-foco-em-pequenas-empresas http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6882-red-ventures-lanca-startup-azulis-com-foco-em-pequenas-empresas Red Ventures lança startup Azulis com foco em pequenas empresas

Nova plataforma digital do grupo oferece ferramentas, serviços gratuitos para ajudar MEIs e PMEs na gestão do dia a dia e a faturar mais

Azulis (www.azulis.com.br/), startup lançada pela Red Ventures no Brasil, é uma plataforma de ferramentas e serviços gratuito para ajudar MEIs e PMEs na gestão financeira e burocrática dos seus negócios.

"A Azulis nasceu com o propósito de ajudar os donos de negócios a vender mais", afirma Antonio Rocha, cofundador da Azulis. "Nossa plataforma reúne ferramentas gratuitas, e serviços criados para ajudar o pequeno e médio empreendedor a aumentar o seu faturamento", completa.

Segundo o levantamento realizado pela startup, os principais desafios dos brasileiros que possuem um negócio próprio são: falta de controle de suas finanças e fluxo de caixa, dificuldades de cobrança, excesso de burocracia e falta de tempo e conhecimento. "Com uma interface simples, nossa plataforma visa resolver todos esses problemas e ajudar o dono de negócio a faturar ainda mais", reforça Rocha.

Entre os principais serviços oferecidos pela Azulis estão:

  1. Comparador de Maquininhas de Cartão de Crédito com preços, taxas e promoções sempre atualizados (www.azulis.com.br/comparador-de-maquininhas/)
  2. Gestão de Cobrança: ferramenta de emissão de boletos e gestão de pagamentos (www.azulis.com.br/me/)
  3. Para os MEIs: lembretes e emissão do pagamento do imposto mensal DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional) e consulta de pagamentos anteriores; (www.azulis.com.br/lembrete-das-mei/)


Comparador de Maquininhas de Cartão de Crédito foi a primeira ferramenta lançada pela startup e é uma ferramenta pioneira no Brasil. "Todo mundo já ouviu falar da guerra das maquininhas – com a entrada de novas empresas no mercado e número crescente de ofertas. Em nossa ferramenta, o empreendedor encontra todas as maquininhas com preços e taxas atualizadas e as principais promoções do mercado, tudo em um único lugar", explica Rocha. Através de parcerias com as empresas de maquininhas, a Azulis também consegue descontos exclusivos. "Acreditamos que temos hoje a melhor fonte de referência para quem precisa comprar a primeira maquininha ou trocar a sua por uma melhor, mais moderna ou com menores taxas", completa Rocha.

A Azulis também lançou a ferramenta de Gestão de Cobranças. Através dela, o dono de negócio consegue emitir boletos para seus clientes com o preço de R$2,45 por boleto liquidado, preço extremamente competitivo quando comparado ao restante do mercado. Outro diferencial da ferramenta é que o dono de negócio é cobrado apenas quando o seu cliente efetuar o pagamento, ou seja, na liquidação do boleto.

Como próximos passos, a empresa está desenvolvendo um Radar de Pendências de Empresas. Por meio dele, o dono de negócio consegue acompanhar pendências na Receita Federal e outros órgãos.

]]>
Finanças Wed, 19 Jun 2019 00:00:00 +0000
Startup americana chega ao Brasil com serviços financeiros móveis http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6877-startup-americana-chega-ao-brasil-com-servicos-financeiros-moveis http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6877-startup-americana-chega-ao-brasil-com-servicos-financeiros-moveis Startup americana chega ao Brasil com serviços financeiros móveis

AirFox entra no mercado oferecendo soluções bancárias por meio de aplicativo construído na tecnologia blockchain

Recém-chegada no Brasil, a startup americana AirFox, com sede em Boston (EUA), trouxe mais uma alternativa aos serviços bancários oferecidos pelas instituições brasileiras. Em parceria com a Via Varejo, lançaram o banco digital banQi, que conta com um modelo avançado de operações financeiras virtuais por meio da terceirização da CSU.Contact, divisão da CSU especializada na prestação de serviços de atendimento ao consumidor.

Com a pretensão de originar clientes e oferecer serviços de pagamento valendo-se da capilaridade nacional das aproximadamente 750 lojas Casas Bahia, a AirFox tem o objetivo de atingir o público não bancarizado, disponibilizando uma carteira virtual que possibilita depósito de cédulas, administração financeira pessoal, pagamentos em QR code, recarga de celulares, transferências, além de carnês e boletos digitalizados.

"Com o projeto para a central de atendimento aos clientes banQi, por intermédio de chat para o produto financeiro digital, a startup escolheu a CSU.Contact para complementar o processo de expansão e diversificação da jornada do cliente em todo o atendimento, contando com a nossa excelência para o crescimento da empresa e de suas operações", afirma Daniel Moretto, diretor comercial da Divisão da CSU.

Com uma plataforma construída na tecnologia blockchain, a Airfox proporcionará aos brasileiros uma gama de soluções financeiras, prometendo eficiência e economia, tonando como única exigência aos clientes possuir um smartphone.

Nas lojas Casas Bahia, estarão disponíveis promotores para divulgar a marca e o aplicativo até novembro deste ano. No início, os saques serão feitos nas próprias lojas. Após alguns meses operando com os clientes da base das Casas Bahia, a Airfox abrirá o mesmo projeto para as lojas do Ponto Frio em todo o país.

]]>
Finanças Tue, 18 Jun 2019 00:00:00 +0000
Prêmio patrocinado pela KPMG recebe inscrições até o dia 28/6 http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6862-premio-patrocinado-pela-kpmg-recebe-inscricoes-ate-o-dia-28-6 http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6862-premio-patrocinado-pela-kpmg-recebe-inscricoes-ate-o-dia-28-6 Prêmio patrocinado pela KPMG recebe inscrições até o dia 28/6

O vencedor será contemplado com vários prêmios que, somados, se aproximam dos R$ 100 mil

O Instituto Brasileiro dos Executivos de Finanças de São Paulo (IBEF SP) está recebendo inscrições, até o dia 28/6, para a nova edição do tradicional Prêmio Revelação. A iniciativa, patrocinada pela KPMG, reconhece talentos profissionais que se destacam por apresentar perfil empreendedor, postura de liderança ou adoção de técnicas inovadoras de administração. O vencedor será contemplado com vários prêmios que, somados, se aproximam dos R$ 100 mil.

 “Nosso objetivo é valorizar o profissional que comprovar uma inovação já implementada na execução das suas funções ou uma solução criativa em finanças. Queremos valorizar aqueles que contribuem para desenvolver e aperfeiçoar essa área em nosso País pois acreditamos no reconhecimento como uma poderosa forma de incentivar as melhores práticas no ambiente de negócios”, afirma Charles Krieck, presidente da KPMG no Brasil.

Estão aptos a concorrer profissionais da área financeira que atendam, cumulativamente, aos seguintes requisitos: atuem com finanças em empresas privadas ou públicas, órgãos da administração pública, organizações não governamentais ou instituições educacionais; tenham até 35 anos de idade completados até 31 de outubro de 2019; sejam graduados em curso superior há mais de um ano.

 As inscrições devem ser feitas no link http://premiorevelacao.ibef.net.br, mesmo endereço que reúne mais informações sobre como deve ser feito o envio dos trabalhos que descrevam a inovação realizada na área de finanças, com aplicabilidade prática comprovada. Todos os participantes que enviarem trabalhos válidos receberão um certificado de participação.

 A banca examinadora do prêmio será composta por diretores financeiros (CFOs) de empresas líderes em vários segmentos de atuação, membros das principais instituições acadêmicas em finanças com atuação no Brasil e vencedores de edições anteriores. Os conteúdos serão avaliados a partir dos seguintes critérios: autenticidade; inovação e criatividade; mensuração; e resultado prático comprovado.

 “Nosso prêmio chega à 16ª edição, sempre colocando em evidência trabalhos inovadores e reconhecendo o valor de jovens talentos dos ambientes corporativos e acadêmicos. O propósito é promover uma ampla exposição dos trabalhos inscritos, o que pode ser um diferencial importante para o desenvolvimento profissional dos participantes”, afirma Luis Carlos Cerresi, membro da Diretoria Executiva do IBEF SP.

 Após o encerramento do prazo de inscrições, os candidatos devem estar atentos às próximas etapas: envio dos trabalhos (até 15/7); consolidação das notas e comunicação aos finalistas (23/9); apresentação dos trabalhos em almoço com os semifinalistas (7/10), em São Paulo; almoço de premiação (4/11), em São Paulo (SP). Em 15 edições já realizadas, o IBEF SP, com apoio da KPMG, entre outros apoiadores, já premiou 52 jovens executivos, valorizou 39 trabalhos vencedores e concedeu mais de R$ 1 milhão em prêmios.

]]>
Finanças Sat, 15 Jun 2019 00:00:00 +0000
BMG e Atlético lançam o Banco Digital da Massa Atleticana http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6847-bmg-e-atletico-lancam-o-banco-digital-da-massa-atleticana http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6847-bmg-e-atletico-lancam-o-banco-digital-da-massa-atleticana BMG e Atlético lançam o Banco Digital da Massa Atleticana

Meu Galo BMG é resultado da união de dois gigantes mineiros e terá conta corrente digital 100% gratuita

#OsMaioresDeMinas, o Banco BMG e o Clube Atlético Mineiro se uniram para marcar a história mineira mais uma vez, com o lançamento do Meu Galo BMG. Voltado especialmente para a Massa Atleticana, o banco digital concede à torcida uma conta corrente totalmente gratuita e a possibilidade de contribuir diretamente com a rentabilidade do Clube, a partir das movimentações bancárias usuais.

 “Estamos orgulhosos em proporcionar ao Atlético as vantagens de uma parceria tão inovadora no mercado esportivo brasileiro. Nosso apoio e laços remetem a longa data, agora damos um passo à frente do tradicional patrocínio máster à camisa e disponibilizamos a oportunidade de geração de receita contínua ao Time”, comemora Márcio Alaor, vice-presidente do Banco BMG.

 Na prática, tudo o que o torcedor já faz com os outros bancos, ao migrar para o BMG e utilizar a conta digital Meu Galo BMG, irá rentabilizar seu time diretamente. Além disso, o Atlético receberá R$ 10 do Banco BMG para cada conta aberta que contenha um saldo mínimo de R$100 e acompanhada de uma operação financeira com o cartão de débito ou crédito.

 “O Banco BMG é um parceiro fiel do Atlético e está sempre presente nos grandes momentos da vida do clube. O Meu Galo BMG irá agradar muito ao torcedor atleticano pelo design personalizado do aplicativo, facilidades oferecidas e possibilidade de ajudar o Galo a ser cada vez mais forte”, comenta o presidente do Atlético, Sérgio Sette Câmara.

 Os torcedores que baixarem o aplicativo Meu Galo BMG, sem custos, nas lojas virtuais dos sistemas Android e iOS, ou diretamente no site www.meugalobmg.com.br, terão diversas vantagens. São elas: cartão personalizado do Clube, conta 100% online sem tarifas, cartão de crédito sem anuidade, transferências gratuitas, saques ilimitados no Banco 24h e pacote de benefícios para ajudar ainda mais o Atlético!

 Voz aos torcedores

 Em celebração à chegada do Meu Galo BMG, o Banco BMG se uniu ao Torcedores.com para a criação de uma plataforma de conteúdos exclusivos do Atlético. Nele, a torcida alvinegra poderá produzir matérias e colaborar com notícias e opiniões sobre seu time do coração, informando e entretendo os interessados no assunto.

]]>
Finanças Fri, 14 Jun 2019 00:00:00 +0000
Clientes da Fama têm bons resultados no primeiro trimestre http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6801-clientes-da-fama-tem-bons-resultados-no-primeiro-trimestre http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6801-clientes-da-fama-tem-bons-resultados-no-primeiro-trimestre Clientes da Fama têm bons resultados no primeiro trimestre

As empresas registraram crescimento médio de 12% na receita entre janeiro e março deste ano

As companhias que compõem o portfolio da Fama Investimentos, gestora de recursos de empresas brasileiras de capital aberto, fecharam o primeiro trimestre deste ano com aumento médio de 12% na receita.

As companhias que apresentaram as maiores taxas de crescimento da receita no período em relação ao primeiro trimestre do ano passado com a Localiza (34%), em consequência do aumento de 32% de sua frota; a Randon (25%), que só não teve uma performance ainda maior porque uma de suas plantas está em processo de melhorias; e a MRV (23%), que reconheceu a receita de vários lançamentos realizados.

Durante esse período, a Fama Investimentos aumentou sua participação na LOG, empresa de logística na qual começou a investir em dezembro de 2018. 

“Este é o conjunto de empresas relevantes que, a despeito da estagnação econômica e incertezas, está pisando no acelerador e fazendo uma série de movimentos estratégicos. Estamos observando que este grupo, mesmo com a situação do País pouco favorável, está se movimentando e alcançando resultados positivos em várias vertentes do mercado”, comenta Fabio Alperowitch, co-fundador e portfolio manager da Fama Investimentos.

Quando analisado o crescimento em EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), o maior destaque do portfolio da Fama ficou por conta da Klabin, empresa produtora de embalagens, que teve um aumento de 32% em relação ao mesmo período do ano passado. 

“Uma das características que traduzem esse crescimento é a flexibilidade de produção da Klabin. Ela pode rapidamente aproveitar o mercado interno, vendendo mais embalagens quando o cenário é mais forte, ou exportando celulose, quando o mercado externo está aquecido ou o câmbio está mais favorável”, analisa Alperowitch.

A Mills foi a segunda empresa com melhor evolução do EBITDA, com um crescimento de 31% em comparação ao mesmo período de 2018. Para Alperowitch, estes bons resultados estão muito relacionados com o trabalho interno que a companhia vem fazendo nos últimos meses.

O executivo destacou, aindaa o processo de fusão com a Solaris, segunda maior empresa do setor, o que deverá trazer expressivos ganhos futuros, fruto de uma combinação estratégica e com muita sinergia.

A terceira empresa de maior aumento em EBITDA foi a Localiza, um crescimento decorrente do recente aumento de receita da companhia. 

Em relação às empresas com o melhor aumento de margem, o destaque vai novamente para a Mills, que cresceu 8 pontos percentuais em relação ao primeiro trimestre do ano passado, decorrente dos ajustes internos comentados anteriormente.

A Klabin, que cresceu 6 pontos percentuais em margem neste período, foi ajudada pelo ambiente com melhores preços e a situação atual do Real mais desvalorizado.

“Os resultados alcançados pelas companhias do portfolio da Fama mostram que o cenário econômico incerto não impacta negativamente todas as empresas. Negócios bem administrados, sólidos e que são geradores de caixa conseguem crescer e fazer vários movimentos inesperados”, assinala Alperowitch.

Diversas movimentações realizadas neste trimestre demonstram que algumas companhias aproveitam o momento para encontrar alternativas para acelerar seus crescimentos futuros, a despeito da estagnação econômica.

A RaiaDrogasil, por exemplo, comprou as operações da Onofre que, não apenas incrementa sua presença em São Paulo, como também acelera o crescimento do e-commerce, onde a Onofre tem bom desempenho.

Seguindo movimento similar, a Duratex anunciou recentemente a aquisição da Cecrisa. A companhia já tinha uma operação pequena em cerâmicas, a partir do investimento na Ceusa, marca adquirida em 2017 e que já vinha passando por um processo de duplicação de capacidade, que será concluído em dois meses. Com a compra da Cecrisa, a Duratex ingressa definitivamente nesse segmento.

A Localiza anunciou um aumento de capital expressivo de quase R$ 2 bilhões. Os recursos serão utilizados basicamente para a expansão da frota, após já tê-la duplicado nos últimos três anos. O cenário da companhia aponta para um grande aumento de demanda e um ritmo acelerado de crescimento.

Já a Klabin anunciou neste primeiro trimestre um novo ciclo de investimento de R$ 8 bilhões. A Randon, por sua vez, divulgou uma joint-venture com a Triel, empresa da área de implementos rodoviários. No mesmo período, a SulAmérica divulgou um investimento de R$ 100 milhões na Órama, uma plataforma de investimentos.

A Multiplan também tem sido bastante ativa, criando uma agenda bem clara de geração de valor e crescimento. A companhia realizou investimento na Delivery Center, empresa especializada em entregas, com o objetivo de mudar a forma com que o consumidor frequenta o shopping.

Além disso, aumentou sua participação no BH Shopping, revelou um novo empreendimento em Jacarepaguá e também a incorporação de um complexo residencial em Porto Alegre.

A Mills  finalizou seu processo de fusão com a Solaris. Por fim, a LOG concluiu sua operação de aumento de capital, recursos que serão destinados para acelerar o crescimento da companhia e de novos empreendimentos.

“Temos uma carteira com cerca de 15 empresas e adotamos uma estratégia única para todos os investidores, o que nos diferencia da maioria das demais gestoras. Contamos com 76% de investidores institucionais, 14% de Family Offices e 10% de indivíduos de alta renda. Destes, 42% são da Europa, 37% da América do Norte e 21% do Brasil. Nosso foco a partir de agora será aumentar a participação dos brasileiros”, finaliza Alperowitch.

 

]]>
Finanças Mon, 10 Jun 2019 00:00:00 +0000
AL oferece boas condições de crescimento para setor financeiro http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6787-al-oferece-boas-condicoes-de-crescimento-para-setor-financeiro http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6787-al-oferece-boas-condicoes-de-crescimento-para-setor-financeiro AL oferece boas condições de crescimento para setor financeiro

A região tem alto índice de desbancarizados e uma taxa expressiva de penetração de smartphone

Dois fatores são considerados fundamentais para o desenvolvimento do setor financeiro na América Latina nos próximos anos, segundo pequisa realizada em 55 países pela agência de marketing digital iProspect.

De acordo com o levantamento “A nova relação digital: uma história sobre finanças e o setor bancário” , a região tem alto índice de desbancarizados; são 45% da população adulta que não estão atrelada a uma instituição financeira.

Em contrapartida, a América Latina apresenta uma das maiores taxas de penetração de smartphones (70%).

Outros dados reveladores mostram que apenas 21% dos clientes estão dispostos a manter o seu nível de negócios atual com o banco que operam e que 87% dos consumidores estão dispostos a conhecer um player não-tradicional.

A pesquisa mostra, ainda, que o potencial de geração de receita a partir da população sem acesso bancário pode chegar a US$ 34 bilhões, impulsionando não apenas o setor financeiro, mas o comércio eletrônico e a inclusão de novas tecnologias e modelos de negócio na região.

Para a realização do estudo, a iProspect entrevistou 4 mil consumidores no Brasil, México, Colômbia, Chile e Argentina. O objetivo foi entender as percepções em relação aos bancos e às fintechs e auxiliar os players do setor a responder questões como os consumidores da América Latina estão dispostos a compartilhar seus dados, estão prontos para aceitar consultores-robôs, fariam transações bancárias com plataformas de tecnologia e por quê, dentre outros.

“Como os consumidores hoje se beneficiam de uma infinidade de opções, os bancos precisam se reinventar para permanecer relevantes. Fluência tecnológica, eficiência operacional e capacidade de adaptação acelerada às mudanças regulatórias são pilares evidentes para um melhor desempenho, porém, em um setor onde a confiança e a experiência do cliente são o alfa e o ômega, a compreensão genuína das expectativas dos consumidores é – mais do que nunca – a verdadeira receita para o sucesso”, afirma Bruno Mosconi, diretor geral da iProspect Brasil e um dos autores da pesquisa.

O estudo mostra também que 32% dos consumidores já utilizam serviços tanto de bancos tradicionais quanto provedores não-tradicionais e 25% gerenciam suas finanças em ambientes online.

Considerando que 46% dos consumidores atualmente esperam uma solução de atendimento de última geração, qualquer organização que ofereça serviços financeiros, seja um banco tradicional, varejista ou um gigante da tecnologia, é primordial oferecer uma experiência customizada, porém escalável.

Para tanto, será necessário aproveitar as mudanças atuais de percepção em relação ao progresso na automação e no uso de dados (mais de 50% dos consumidores estão dispostos a compartilhar seus dados em troca de uma solução de atendimento ao cliente 24 horas).

No Brasil, mercado com alta concentração e baixa concorrência, o potencial também é muito grande, com mais de 50 milhões de pessoas sem acesso a serviços financeiros.

A pesquisa revela que 73% dos brasileiros gerenciam suas finanças fazendo uso regular de serviços online e que 81% estariam dispostos para um provedor não-tradicional.

“Depois de anos sem grandes solavancos, o cenário do setor financeiro no Brasil vem mudando. Players mais acessíveis e centrados no usuário estão surgindo com soluções voltadas aos consumidores cada vez mais digitais, com demandas cada vez maiores por praticidade, transparência e serviços personalizados”, afirma o diretor geral da iProspect Brasil.

Algumas mudanças que merecem destaque incluem as empresas de tecnologia financeira, que agora podem emprestar dinheiro sem a intermediação de bancos e o desmembramento do setor de pagamentos, em 2010.

Além disso, existem outras iniciativas em andamento sobre criptomoedas, tokens e câmbio internacional.

“Este estudo deixa claro a importância das instituições financeiras investirem no desenvolvimento e promoção de seus aplicativos, no estabelecimento de canais de bate-papo 24 horas e de parcerias com fintechs e outros players para o desenho de serviços cada vez mais convenientes e inovadores”, conclui Mosconi.

 

]]>
Finanças Thu, 06 Jun 2019 00:00:00 +0000
Avalara lista seis erros fiscais cometidos pelas empresas http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6772-avalara-lista-seis-erros-fiscais-cometidos-pelas-empresas http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6772-avalara-lista-seis-erros-fiscais-cometidos-pelas-empresas Avalara lista seis erros fiscais cometidos pelas empresas

Empresas brasileiras gastam 12 vezes mais tempo do que as europeias na gestão tributária fiscal

No Brasil, as empresas gastam em média 12 vezes mais tempo do que na Europa para realizar a gestão tributária fiscal, segundo o relatório Doing Business, financiado pelo Banco Mundial. A complexidade tributária brasileira, além de consumir muito tempo dos gestores, ainda possibilita o aumento de erros, o que resulta em perdas para o negócio. “Nossa carga tributária já é bastante alta. Então, não dá para arriscar e desperdiçar dinheiro com erros que podem ser evitados”, destaca Luciano Silva, diretor de engenharia e responsável pela área de CMS (Compliance Managed Services) da Avalara Brasil.

Ciente de que muitas empresas enfrentam problemas com o Fisco, órgão supervisionado pela Receita Federal, o especialista da Avalara lista seis erros comuns cometidos pelas companhias:

  1. Não conhecer o sistema fiscal – O Brasil tem regras tributárias muito complexas, burocráticas e que passam por constantes mudanças. E, para cuidar do presente e garantir o futuro da companhia, é fundamental que os empreendedores conheçam as leis e impostos que devem ser respeitados e honrados. O desconhecimento das normas é muito comum entre empresários em início de carreira ou em unidades de empresas estrangeiras que se instalam no Brasil. Não ter ciência do sistema pode resultar em multas, muitas vezes pesadas.
  1. Não fazer um planejamento tributário - Trata-se de um meio legal de reduzir a carga tributária de uma companhia e evitar penalidades. É possível fazer dois tipos de planejamento: o estratégico e o operacional. O primeiro define o regime tributário ideal e os incentivos fiscais que serão utilizados, além de mapear os encargos relativos à mão de obra contratada, durante um prazo de cinco a dez anos. Já o segundo identifica e organiza os pagamentos a serem realizados em um período de três a seis meses. Ao planejar as obrigações, é possível, por exemplo, evitar o pagamento de impostos indevidos, tendo em vista que não há um padrão nacional de tributações. As regras são particulares em cada cidade e estado do país. Além disso, atrasos também podem ser evitados, o que fará um bem enorme para o caixa da organização.
  1. Não gerenciar documentos - Notas fiscais recebidas e emitidas são documentos que comprovam a idoneidade das ações da companhia diante dos órgãos regulatórios. Então, certifique-se que você esteja escriturando todas as notas emitidas contra de você dentro do período adequado, tenha controle sobre a qualidade e veracidade das informações contidas nestes documentos, bem como com relação ao armazenamento desses documentos eletrônicos.
  1. Sonegar imposto - Ao se recusar a pagar um imposto, a empresa comete crime de evasão ou sonegação fiscal. Também é preciso atenção quanto à veracidade dos dados informados ao Governo. Segundo os dados da Secretaria da Fazenda de São Paulo, em 2018, de R$ 7 bilhões de ICMS autuado, tivemos R$ 14 bilhões de multa e R$ 3 bilhões de juros, ou seja, aproximadamente 30% das autuações fiscais do Estado de São Paulo para ICMS é tributo e 70% são juros e multas por falta de compliance fiscal.
  1. Não automatizar as ações - Em um passado não muito distante, era comum a entrega de obrigações acessórias em papel. Hoje, graças à tecnologia, é possível integrar cada vez mais a jornada das áreas fiscal e tributária de uma maneira muito mais eficiente. Os softwares reduzem erros, aumentam a eficiência e liberam tempo para que a equipe se dedique a ações mais estratégicas. É possível, por exemplo, automatizar a geração de obrigações acessórias, o cálculo dos impostos com sistemas integrados ao ERP, a validação da situação fiscal do cliente ou fornecedor, a atualização na tributação de produtos e serviços, e a emissão e guarda de documentos fiscais.
  1. Não armazenar os dados em nuvem – As empresas mais atualizadas já entenderam que o armazenamento de dados em cloud computing é a principal estratégia para aqueles que desejam garantir a segurança das informações e o fácil acesso a elas, a qualquer dia, em qualquer hora e de qualquer lugar. Armazenar informações em servidores físicos, além de ser menos seguro, ainda gera para a companhia custos com aquisição, manutenção e gerenciamento desses equipamentos.

O especialista reforça que é fundamental que empresas de todos os portes gerenciem seus processos fiscais com eficiência para se manterem vivas no mercado. “A legislação brasileira já é bastante complexa para quem segue as regras do jogo, mas é ainda mais complicada para aqueles que não estão atentos a elas”, reforça Silva.

]]>
Finanças Thu, 06 Jun 2019 00:00:00 +0000
Saint Paul e Bradesco lançam série inédita sobre finanças pessoais http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6683-saint-paul-e-bradesco-lancam-serie-inedita-sobre-financas-pessoais http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6683-saint-paul-e-bradesco-lancam-serie-inedita-sobre-financas-pessoais Saint Paul e Bradesco lançam série inédita sobre finanças pessoais

Um dos maiores bancos brasileiros e a escola de negócios se unem para criar formato atrativo para ensinar sustentabilidade financeira

Parceria firmada entre o Bradesco e o LIT, plataforma de aprendizagem digital da Saint Paul Escola de Negócios, e com apoio da Universidade Corporativa Bradesco (UniBrad), disponibilizará gratuitamente uma série sobre finanças pessoais.

Com curadoria, tecnologia de ponta e a didática dos professores da Saint Paul, a proposta busca ensinar os participantes o caminho para manter uma relação saudável com seu dinheiro. A série, batizada de “Na Real”, contará incialmente com três temporadas. A cada episódio serão abordados diferentes temas como: "A família cresceu, e agora?", "Como poupar mesmo ganhando pouco" e "Ah, as dívidas".

O conteúdo estará disponível, gratuitamente, a partir de 24 de junho, por aplicativo mobile e também pelo computador, com a facilidade de poder ser acessado a qualquer hora e lugar. Para utilizar, basta entrar em www.serienareal.com.br.

O material é composto por elementos como vídeos, apresentações e podcasts com dicas, técnicas, exemplos práticos, situações reais, complementado com planilhas e exercícios. Tudo organizado em pequenos episódios, fluídos e dinâmicos, com linguagem simples e direta.

Glaucimar Peticov, diretora executiva do Bradesco, destaca o papel e a importância da educação financeira para a sociedade. “Contribuir para que as pessoas possam planejar e gerir sua vida financeira é tarefa essencial. Educação financeira para o Bradesco é mais que um tema estratégico, é o caminho para uma sociedade em equilíbrio”, resume.

O conteúdo, produzido pela plataforma LIT e customizado para o Bradesco, será lançando para o mercado num formato inédito que mescla a descontração das séries com a qualidade dos melhores professores de finanças. É 100% gratuito e possibilita que o espectador receba um certificado após cada episódio.

Esse projeto vai ao encontro do propósito do LIT, que é democratizar a aprendizagem de qualidade. Apesar de já haver muita gente falando sobre educação financeira, sentíamos falta de um conteúdo com curadoria”, diz Adriano Mussa, sócio da Saint Paul.

]]>
Finanças Thu, 23 May 2019 00:00:00 +0000
Acrefi promove evento sobre educação financeira http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6679-acrefi-promove-evento-sobre-educacao-financeira http://executivosfinanceiros.com.br/financas/6679-acrefi-promove-evento-sobre-educacao-financeira Acrefi promove evento sobre educação financeira

A programação terá palestras e mesas-redondas para quem deseja apresenta a lidar melhor com o dinheiro 

A Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimentos (Acrefi) promoverá na quinta-feira, 23, em São Paulo o evento sobre a "Educação Financeira Agregada ao Negócio: Responsabilidade Social + Ações Inovadoras".

O evento, que contará com a presença de representantes do Banco Centrol, faz parte da 6ª Semana Nacional de Educação Financeira (Semana ENEF 2019), que vai até dia 26, e traz palestras e mesas-redondas gratuitas sobre o tema educação financeira para quem quer aprender a lidar melhor com o dinheiro. 

“Um dos importantes pilares da ACREFI é a ‘Cidadania Financeira’. Apoiamos na prática iniciativas voltadas ao tema, como a Semana ENEF e os Fóruns promovidos pelo BC”, destaca Hildo Gonçalves, presidente da Acrefi.

Segundo ele, a entidade defende a melhoria da educação no País por meio de ações voltadas ao progresso da Educação Financeira.

“Acreditamos que, se o cidadão estiver mais bem informado, a sua decisão será mais consciente no bom uso do dinheiro e de produtos e serviços financeiros. Isso gera um círculo virtuoso, onde todos são beneficiados e a economia cresce de maneira mais sustentável”, diz.

 

]]>
Finanças Wed, 22 May 2019 00:00:00 +0000