Menu

Febraban divulga nota de apoio ao PIX

Leandro Vilain, diretor de Negócios e Operações da Febraban Leandro Vilain, diretor de Negócios e Operações da Febraban Foto: divulgação

Novo sistema de pagamentos instantâneo, segundo a entidade, vai estimular a competividade e aprimorar a eficiência no mercado de pagamentos

 

Em nota, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) manifestou-se a respeito do lançamento do novo sistema de pagamentos instantâneos, batizado de PIX, que passará a operar a partir de novembro deste ano. A entidade destacou o caráter inovador do sistema, cujo funcionamento, segundo ela, fortalecerá a competição na indústria financeira e trará maior segurança e conveniência aos clientes.

A Federação lembra ter colaborado, junto com os bancos do País, com o  desenho do novo ambiente de pagamentos, lançado pelo Bacen. Com o PIX, será possível enviar e receber dinheiro durante 24 horas por dia, 7 dias por semana, em transações entre pessoas, empresas e governo, de forma fácil, simples e instantânea.

A nota afirma que a entidade é favorável a medidas que reduzam a necessidade de circulação de dinheiro em espécie, cujo custo logístico totaliza cerca de R$ 10 bilhões ao ano. Também apoia a iniciativa por aumentar a inclusão financeira no país, estimular a competitividade e aprimorar a eficiência no mercado de pagamentos.

"A Febraban vê o PIX como uma inovação que trará mais segurança e conveniência ao consumidor em suas transações financeiras", afirma Leandro Vilain, diretor de Negócios e Operações da Febraban. "Essa medida é condizente com os investimentos que o setor bancário vem fazendo em modernização tecnológica, de aproximadamente R$ 19,5 bilhões anuais."

Para aderir ao PIX, os bancos brasileiros irão investir recursos adicionais em infraestrutura, tecnologia e segurança para padronizar e organizar um sistema dentro um ambiente de comodidade e confiabilidade para o cliente.

"Os provedores de serviços de pagamento estão trabalhando com o Banco Central para que as transações tenham o menor custo possível para o consumidor", afirma Vilain. Cada instituição irá definir suas tarifas, de acordo com sua política de negócios.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes