Menu

Investir em ouro pode ser uma boa opção em tempos de coronavírus Destaque

Investir em ouro pode ser uma boa opção em tempos de coronavírus

Em março de 2019 o grama do ouro estava cotado em uma média de R$ 156, ao passo que hoje o valor médio chegou a R$ 244 o grama

Pelo segundo mês seguido, o ouro fechou em alta na lista de investimentos no Brasil e no mundo. Isso porque a pandemia provocada pelo Covid-19 revirou a economia brasileira, fazendo com que o mercado de metais ficasse super valorizado, especialmente o do ouro.  O mês de fevereiro, por exemplo, fechou com a taxa Selic fixada em 4,25%, e, agora, apresenta a maior baixa da história, fixando-se em 3,75. Número favorável para investimentos em mercados alternativos.

 Para se ter uma ideia, em março de 2019 o grama do ouro estava cotado em uma média de R$156. Nesse mesmo período, em 2020, o valor médio chegou a R$244 o grama. Uma super valorização de 64% no intervalo de 1 ano. Um dos fatores, é reflexo da ação dos bancos centrais, que estão cortando as taxas de juros de forma emergencial, devido à proliferação do novo Coronavírus, para atenuar os efeitos da crise mundial.

 O economista e especialista em modelagem financeira, Davi Toledo, explica que o ouro costuma apresentar alta demanda nesses momentos de crise, uma vez que ele não está sujeito a diminuição de seu valor pela inflação ou por uma crise de ativos financeiros, “ao contrário da moeda, o ouro não é passível de intervenção por parte dos governos, ou seja, ele não pode ser impresso, logo possui um valor intrínseco devido à sua escassez”, comenta o economista. 

 Ainda segundo o especialista, o ouro tem uma correlação negativa para ações, ou seja, quando o Ibovespa sofre uma queda, o preço do ouro aumenta. A previsão para os próximos meses é de que o ouro continue sendo uma boa opção para ganhar e investir dinheiro no Brasil e no exterior.

 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes