Menu

Lucro líquido do banco Desenvolve SP avança 223% em 2019

Resultado recorde de R$ 47,6 milhões decorre do aumento na geração de receitas, da diminuição de despesas e da melhoria do índice de inadimplência

 

A Desenvolve SP - O Banco do Empreendedor alcançou o melhor resultado da sua história no ano de 2019. A instituição financeira do Governo de São Paulo obteve lucro líquido de R$ 47,6 milhões e superou em 223% o resultado de 2018, quando atingiu R﹩14,4 milhões.

O resultado é o melhor do banco desde que ultrapassou a fase pré-operacional em 2012 e deve-se à nova estratégia implementada a partir do ano passado, focada na geração de novos negócios, no aumento na arrecadação de receitas com tarifas, no controle da inadimplência e na redução drástica das despesas do banco.

"O fato de a Desenvolve SP atingir o maior lucro do período operacional da sua história em 2019 marca o começo de uma nova década para a instituição. Queremos, cada vez mais, nos tornar o braço financeiro do Governo de São Paulo, e auxiliar na execução das políticas públicas do Estado. Além disso, nosso foco é estimular o crescimento sustentável das micro, pequenas e médias empresas e municípios, fortalecendo a economia paulista, gerando emprego e renda", afirma o presidente da Desenvolve SP, Nelson de Souza.

Com o novo direcionamento estratégico, a direção da instituição agiu sobre as operações de crédito que apresentavam atraso. As ações buscaram maior pulverização de suas operações, melhorias na gestão de cobrança, o que resultou na redução do índice de inadimplência, fechando o ano com o menor nível da história, 1,61%. O índice de inadimplência de 2018 foi de 5,33%, uma redução de 3,72 p.p.

Evolução de 329% do resultado operacional

Entre os números positivos destacam-se o crescimento de 329% do resultado operacional: de R﹩ 13,7 milhões para R$ 58,8 milhões, além da evolução do patrimônio líquido de R$ 1,060 bilhão para R﹩ 1,122 bilhão, entre os dois últimos exercícios. A melhoria desses indicadores impulsionou também o Retorno Anualizado sobre o Patrimônio Líquido (ROAE) que, em 2019, foi de 4,36%, com uma evolução de 316%, ou mais de três pontos percentuais em relação a 2018.

Além disso, a Desenvolve SP reduziu suas despesas em cerca de 32% no exercício anual de 2019, com ênfase na nova gestão que, segundo ela, prioriza a eficiência, pessoas, parcerias, inovação e crédito. Os custos operacionais passaram de R$ 124 milhões em 2018 para R$ 84,7 milhões em 2019.

Outro indicador favorável foi o Índice de Eficiência, que revela a melhoria na relação entre despesas e receitas no ano em que a instituição se reposicionou como o Banco do Empreendedor. Em 2019, esse indicador atingiu o percentual de 61,22%, melhora de 35 pontos percentuais comparado a 2018 (96,1%).

Os desembolsos somaram no ano passado R$ 416,4 milhões, em 942 operações. No ano anterior, a quantidade de liberações somou 798. Ao todo, foram atendidas, em 2019, 881 empresas e 79 prefeituras, em 233 cidades paulistas.

Mais da metade dos desembolsos, 55,8%, foi destinada aos projetos de investimento. Cerca de 5,5% financiaram a compra de máquinas e equipamentos e 38,7% o capital de giro, na modalidade de crédito digital com aprovação em 48 horas. Também em consonância com a estratégia de ampliar a atuação entre as micro, pequenas empresas paulistas, a Desenvolve SP bateu o recorde de atendimento a esse segmento com 735 companhias, totalizando R$ 119, 2 milhões de desembolsos.

Classificação de risco

Recente avaliação da Moody´s, uma das principais agências de classificação de risco de crédito do mundo, destacou a capacidade da gestão atual da Desenvolve SP de gerar receitas recorrentes juntamente com os esforços em diversificar fontes de resultados e estabelecer parcerias internacionais para projetos estratégicos no Estado de São Paulo.

O Banco do Empreendedor recebeu da Moody´s ratings de emissor de longo e curto prazo em moeda local na escala global de Ba2 e Not Prime, entrando no mesmo patamar de rating do Estado de São Paulo e do Brasil. A divulgação do rating reflete também, conforme o balanço, o comprometimento da Desenvolve SP com as melhores práticas de Governança e Compliance.

“Estamos construindo resultados sustentáveis capazes de estimular a economia paulista de forma perene e significativa. Nosso objetivo é multiplicar o impacto da Desenvolve SP na economia sempre com foco na melhoria do ambiente de negócio, gestão pública de excelência, geração de emprego e renda no Estado de São Paulo, e devidamente alinhados com os objetivos do governo e as boas práticas de governança”, destaca Nelson de Souza.

Principais destaques na comparação de 2019 com 2018

• Lucro Líquido recorde de R$ 47,6 milhões, evolução de 223%

• Menor Índice de inadimplência da história: 1,61%; redução de 3,72 p.p.

• Índice de Eficiência: Evolução de 35 p.p. - 61,22%

• Melhor índice de cobertura da história: 136%

• Resultado Operacional de R$ 58,8 milhões, evolução de 329%

• Despesas: Redução de 32%

• Despesa com PDD: Redução de 67%

• (ROAA): evolução de 1,75 p.p. - 2,62%

• (ROAE): aumento de 3 p.p. - 4,36%

• Resultado bruto de intermediação financeira: R$ 104 milhões, aumento percentual de 64%

• Receita de prestação de Serviços: R$ 12,2 milhões, aumento de 83%

 

Leia mais ...

Febraban divulga nota de apoio ao PIX

Novo sistema de pagamentos instantâneo, segundo a entidade, vai estimular a competividade e aprimorar a eficiência no mercado de pagamentos

 

Em nota, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) manifestou-se a respeito do lançamento do novo sistema de pagamentos instantâneos, batizado de PIX, que passará a operar a partir de novembro deste ano. A entidade destacou o caráter inovador do sistema, cujo funcionamento, segundo ela, fortalecerá a competição na indústria financeira e trará maior segurança e conveniência aos clientes.

A Federação lembra ter colaborado, junto com os bancos do País, com o  desenho do novo ambiente de pagamentos, lançado pelo Bacen. Com o PIX, será possível enviar e receber dinheiro durante 24 horas por dia, 7 dias por semana, em transações entre pessoas, empresas e governo, de forma fácil, simples e instantânea.

A nota afirma que a entidade é favorável a medidas que reduzam a necessidade de circulação de dinheiro em espécie, cujo custo logístico totaliza cerca de R$ 10 bilhões ao ano. Também apoia a iniciativa por aumentar a inclusão financeira no país, estimular a competitividade e aprimorar a eficiência no mercado de pagamentos.

"A Febraban vê o PIX como uma inovação que trará mais segurança e conveniência ao consumidor em suas transações financeiras", afirma Leandro Vilain, diretor de Negócios e Operações da Febraban. "Essa medida é condizente com os investimentos que o setor bancário vem fazendo em modernização tecnológica, de aproximadamente R$ 19,5 bilhões anuais."

Para aderir ao PIX, os bancos brasileiros irão investir recursos adicionais em infraestrutura, tecnologia e segurança para padronizar e organizar um sistema dentro um ambiente de comodidade e confiabilidade para o cliente.

"Os provedores de serviços de pagamento estão trabalhando com o Banco Central para que as transações tenham o menor custo possível para o consumidor", afirma Vilain. Cada instituição irá definir suas tarifas, de acordo com sua política de negócios.

Leia mais ...

Vivo eleva investimento e registra lucro líquido de R$ 5 bilhões em 2019

Total investido no ano alcançou R$ 8,8 bilhões, um aumento de 7,9%. Recursos foram concentrados na expansão da rede de fibra e nas tecnologias 4G e 4.5G

 

A Telefônica Brasil (Vivo) divulgou hoje, dia 19, o balanço financeiro e operacional de 2019. No ano, a empresa aumentou seus investimentos, que se aproximaram dos R$ 9 bilhões, um aumento de 7,9% quando comparado ao ano anterior, representando 20% da receita operacional. Aporte essencialmente direcionado à expansão do uso das tecnologias de conexão móvel e fixa.

A Vivo realizou em 2019 a maior expansão da história de sua rede de fibra, levando a tecnologia para 43 novas cidades, encerrando o ano em 164 municípios, com 11 milhões de domicílios cobertos. Na área móvel, a empresa fechou o ano em mais de 3,2 mil cidades com a rede 4G, cobrindo 89% da população, e 1,2 mil municípios com o 4.5G disponível para 66% dos brasileiros.

“A demanda da sociedade é por conectividade de qualidade. E, como líderes de mercado, elevamos nossos investimentos ao maior patamar da história da Vivo, para oferecer aos nossos 100 milhões de acessos uma infraestrutura diferenciada, com mais cobertura 4,5G e fibra”, afirma o presidente da Vivo, Christian Gebara. “Manteremos os investimentos em alta e ao final de 2020 completaremos o plano trienal anunciado há dois anos, com um montante de R$ 26,5 bilhões investidos”, explica.

No quarto trimestre, a receita operacional líquida cresceu 2,6% -- quando comparado ao igual período anterior -- um dos maiores crescimentos dos últimos quatro anos, por sólido desempenho das receitas de pós-pago, aparelhos e fibra. No ano, a receita operacional líquida cresceu 1,9%.

Os custos operacionais recorrentes, excluindo gastos com depreciação e amortização, subiram 1% no último trimestre, motivados, principalmente, pelos maiores custos com vendas de aparelhos, em um período em que a inflação foi de 4,3% (IPCA - 12M). No ano, os custos operacionais recorrentes cresceram apenas 1,2% devido às eficiências geradas pelo constante processo de digitalização. Neste sentido, a proporção de clientes que recebem faturas online chegou a 73% e através do incentivo ao uso do Meu Vivo, a empresa reduziu em 25% as chamadas recebidas no call center.

Com isso, o EBITDA recorrente (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) cresceu 5,4% no trimestre, totalizando R$ 4,3 bilhões, com margem de 38,2% (a maior da história da empresa), refletindo sua estratégia em focar em negócios de maior valor com planos pós-pagos e expansão da rede de fibra, além dos esforços de simplificação, digitalização e disciplina financeira. No ano, o EBITDA recorrente chegou a R$ 16 bilhões, alta de 3,1% em relação a 2018, com margem de 36,2%.

O lucro líquido do trimestre chegou a R$ 1,3 bilhão, contribuindo para o acumulado de 2019 de R$ 5 bilhões. O resultado é menor em relação a 2018 pois, naquele ano, o lucro foi positivamente impactado por efeitos não recorrentes referentes ao trânsito em julgado, no Superior Tribunal de Justiça, de dois processos judiciais que reconheceram o direito da exclusão do ICMS da base de cálculo das contribuições ao PIS e COFINS. Quando excluídos os efeitos não recorrentes, o lucro líquido de 2019 atingiu R$ 5,4 bilhões com crescimento anual de 2,5%.

O fluxo de caixa livre da atividade de negócio apresentou crescimento de 28,4% no quarto trimestre, atingindo R$ 2,6 bilhões, impulsionado, principalmente, pela expansão do EBITDA. No acumulado de 2019, o valor atingiu expressivos R$ 8,2 bilhões, representando um aumento de 19,0% em comparação com 2018.

Consistência nos resultados

“Em um ano marcado por uma retomada ainda gradual da economia, apresentamos um resultado financeiro consistente combinando investimentos e crescimento acelerado em segmentos de clientes chaves, eficiência em custos e a maior geração de caixa de nossa história, atingindo R$ 8,2 bilhões no ano”, pontua o vice-presidente de Finanças da Vivo, David Melcon,

A receita líquida móvel cresceu 5,7% durante o quarto trimestre, influenciada por atividades comerciais dentro do segmento, como a expansão de 5,8% da receita de dados e serviços digitais -- que já representa 82,3% do total --, e maior receita de aparelhos, que subiu 40,7% no ano, após expandir-se 46,2% no quarto trimestre, impulsionada pelas campanhas de vendas de Black Friday e Natal. No acumulado de 2019, a receita líquida móvel cresceu 4,8%.

O resultado se deve à estratégia da empresa de acelerar e ganhar participação em um mercado relevante por meio do poder da marca Vivo e dos canais de venda da empresa, que vêm atraindo consumidores de alto valor tanto para as lojas virtuais quanto físicas. Esse movimento também é reflexo da atenção e da experiência digital que a Vivo oferece aos seus clientes, seja pelo atendimento via aplicativo ou nas lojas da empresa, projetadas para oferecer ao consumidor um ambiente altamente conectado.

“Nossas lojas são verdadeiros pontos tecnológicos com um ambiente consultivo e participativo. Nelas, nossos clientes podem encontrar todo tipo de device, como aparelhos, câmeras, sensores, lâmpadas inteligentes, acessórios e até drones”, afirma Gebara. “Somos uma empresa de tecnologia voltada para todas as necessidades dos nossos clientes, entregando os serviços digitais mais desejados do mercado por meio de parcerias com grandes players, como Amazon Prime Video, Tidal, Spotify, Rappi e Netflix”, explica. 

Leia mais ...
Assinar este feed RSS

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes