Menu

Eletronet vai oferecer Inteligência de Mercado aos provedores

Serviço será gratuito aos clientes como solução para projetos de expansão geográfica, novos negócios e indicador para tomada de decisões

A Eletronet, fornecedora de serviços de alta velocidade em circuitos de longa distância por rede de fibra óptica, firmou parceria com a Cognatis, empresa fundada em 2003 e um dos líderes no mercado de Geomarketing, Analytics e Big Data. O objetivo do contrato assinado entre as empresas é de oferecer de forma gratuita aos clientes Eletronet acesso à plataforma SaaS de geomarketing NETtool®, para que possam analisar e visualizar facilmente seus mercados, clientes e operações, o que será de grande valor para suas gestões estratégicas.

Sempre atenta às demandas do mercado de provedores, a Eletronet identificou oportunidades em termos de novos negócios em regiões ainda pouco exploradas. Para trabalhar em conjunto com seus clientes, a empresa solicitou a Cognatis uma solução de geomarketing para entregar aos parceiros indicadores de expansão, prospecção, rentabilização e otimização de territórios.

“A Eletronet se posiciona pelo sucesso do nosso cliente, acreditamos no crescimento conjunto. A Cognatis é uma empresa sólida, com mais de quinze anos de experiência no vasto território brasileiro. Nós queremos ajudar nosso cliente nas tomadas de decisões estratégicas para expansão do seu negócio”, diz Cássio Lehmann, diretor de Vendas e Marketing da Eletronet.

Lehmann também explica que todo o projeto será realizado com a Cognatis para entregar aos provedores clientes mapas personalizados de oportunidades com características mercadológicas e sócio demográficas de cada microrregião de interesse. Ainda, será possível localizar concorrentes, otimizar o território de vendas, levando em consideração o volume de negócios, potencial de expansão e recursos disponíveis.

“A Eletronet possui atuação em 18 Estados Brasileiros com uma rede que corta o Brasil de norte a sul. Nós vemos inúmeras possibilidades para os clientes da Eletronet que por muitas vezes não são identificadas e acabam sendo perdidas. Nossa solução irá trazer visibilidade a estas oportunidades em regiões de expansão ao trazer ao levar informações estratégicas aos provedores, que poderão assim tomar ações mais seguras e embasadas em dados estatísticos”, diz Reinaldo Gregori, CEO da Cognatis.

A solução de geomarketing estará disponível em breve. Consulte seu gerente de negócios.

Leia mais ...

Ericsson abre contagem regressiva para implementação do 5G no Brasil

O 5G permite velocidades altíssimas, até 1.000x maiores que o 4G, chegando a mais de 10Gbps

Fundada em 1876 em Estocolmo, Suécia, e presente há 95 anos no Brasil, a Ericsson é protagonista nos principais saltos tecnológicos registrados no País e no mundo, sendo referência em tecnologia, comunicações, hardware, software e serviços. 

 É reconhecida mundialmente como líder inconteste em plataformas digitais e em redes móveis, não só na construção e na infraestrutura mas na relevância delas para a sociedade e para a economia dos países em que atua, com uma reputação construída sobre a competência técnica e capacidade de inovação da empresa. Hoje, a Ericsson está pronta para protagonizar mais um capítulo desta jornada – a chegada do 5G no Brasil e na América Latina.

 95 anos de atuação no Brasil

A Ericsson opera no Brasil desde 1924, mas a primeira interação da companhia sueca no País ocorreu em 1877, quando instalou aqui, a pedido do Imperador Dom Pedro II, o primeiro telefone fixo. Desde então, assumimos papel de liderança no setor de telecomunicações no mercado brasileiro, o que se repete para o setor de infraestrutura para redes. Somos líderes no 2G, 3G, 4G e também seremos no 5G. Desde março de 2017, mais de 300 mil rádios 5G ready já foram entregues, isto é, rádios que funcionam no 4G e necessitarão apenas de uma atualização de software para funcionar no 5G quando a frequência estiver liberada pela Anatel.

 No 4G, a Ericsson tem 50% de market share, o que significa que metade da infraestrutura (estações rádio base, ou popularmente chamadas "antenas") existente no Brasil por parte das operadoras móveis é fornecida pela Ericsson. E hoje já são mais de 10 anos desde que a companhia iniciou estudos e o desenvolvimento do 5G.

 A Ericsson realizou a primeira prova de aplicação do 5G do Brasil em 2016, durante o Futurecom daquele ano. De lá pra cá, foram realizados inúmeros testes em diferentes bandas de frequência com diferentes operadoras. Nesses testes, a empresa mostrou aplicações de acesso de banda larga, saúde, educação, indústria, e tantas outras aplicações que serão criadas e transformadas pelo 5G.

 “Essas demonstrações já aconteceram em frequências médias (como o 3.5GHz) e altas (como o 28GHz). Em todos os casos com autorizações da Anatel como se faz necessário: o instrumento chamado Uso Temporário de Espectro (UTE), pelo qual a Anatel autoriza a demonstração e uso da faixa de frequência para caráter de testes. Como mencionado, a Ericsson foi a primeira a realizar esse tipo de demonstração no Brasil e em todas detinha o UTE correspondente, o que serve de comprovação oficial, sendo o ato da Agência publicado sempre em Diário Oficial”, explica Tiago Machado, Diretor de Relações Institucionais da Ericsson para o Brasil e o Cone Sul da América Latina.

Programa sólido de investimentos locais

A Ericsson tem longa história de atuação e tradição de investimentos no Brasil, onde emprega atualmente 3.000 pessoas de forma direta, e outras 5.000 indiretas, e detém um market share de mais de 50% nas redes atuais.

 Em 1955, foi inaugurada uma planta fabril de alto rendimento em São José dos Campos/SP – uma das quatro que a Ericsson mantém no mundo e que é hoje a mais antiga em operação ininterrupta. Sua capacidade mensal de produção é de 16 mil rádios/mês. Do total produzido, 60% é para atender o mercado local e 40% à exportação, cobrindo toda a América.

Além do foco em produção local, a Ericsson dedica também investimentos robustos para as atividades de Pesquisa e Desenvolvimento no Brasil. A companhia mantém um Centro de Excelência em P&D&I em Indaiatuba/SP, onde atuam mais de 450 pesquisadores.  Mais de 140 patentes foram desenvolvidas localmente como fruto desse trabalho e, fazendo um recorte apenas dos últimos vinte anos, foram investidos mais de R$ 1 bilhão para a criação de novas soluções de Internet das Coisas, transformação digital e 5G.

 ”Isso porque a Ericsson acredita na inovação e que a tecnologia 5G será o principal fator de transformação econômica, competitividade e ganho de eficiência dos mais diferentes setores da economia na próxima década, a exemplo de grandes marcos de evolução da aplicação da tecnologia ao longo da história – como o surgimento da locomotiva a vapor há 200 anos, que mudou completamente a produtividade do mundo; ou, como há 100 anos, quando o mundo começou a se iluminar e novamente todas as indústrias se transformaram, das fábricas às cidades”, diz Eduardo Ricotta, presidente da Ericsson para o Cone Sul da América Latina

 Enquanto as tecnologias anteriores, como 2G, 3G e 4G, foram desenhadas para uso por pessoas, através de smartphones e outros dispositivos, o 5G irá muito além. Por isso dizemos que o 5G não é apenas mais um G. O 5G é, sim, uma evolução desse serviço, mas é também uma expansão da digitalização para a indústria, agricultura, transportes, cidades inteligentes, segurança pública, saúde e muitas outras aplicações.

O 5G permite:

•         Velocidades altíssimas, até 1.000x maiores que o 4G, chegando a mais de 10Gbps. Isso criará espaço para novas aplicações que demandam uma conexão com muito mais capacidade do que o disponível hoje, com vídeos instantâneos, realidade virtual, 3G e ultra-alta definição. São as aplicações de banda larga melhorada, ou “Enhanced Mobile Broadband” em inglês (eMBB).

•         Uma grande quantidade de dispositivos conectados à rede, até 1 Milhão por quilômetro quadrado, 10 ou 100x mais que o suportado pelas redes atuais. É a chamada Internet das Coisas, ou IoT por sua sigla em inglês (“Internet of Things”), em que os mais diferentes objetos serão inteligentes e conectados, desde eletrodomésticos, até sistemas de distribuição de energia elétrica, além de iluminação pública, postes, sensores de trânsito, câmeras e semáforos, entre outros. A partir dessa possibilidade de alta densidade de dispositivos, será possível a construção das Cidades Inteligentes, um conceito que engloba a transformação, através da conectividade e das tecnologias digitais, de todos os serviços e infraestrutura das cidades, como segurança pública, água e luz, trânsito, transporte público e outros modais, iluminação pública, serviços de emergência como ambulâncias e bombeiros, coleta de lixo e tudo mais. São as aplicações chamadas “Massivas”, pela grande quantidade de dispositivos conectados.

 

Leia mais ...

A10 Networks e NEC exibem soluções que preparam o caminho para o 5G

A A10 compartilha com a NEC projetos para o próximo passo em termos de conectividade

A A10 Networks, fornecedora líder de soluções inteligentes e automatizadas de segurança cibernética, confirma presença no Futurecom 2019, um dos principais eventos de transformação digital da américa latina, que ocorre de 28 a 31 de outubro, em São Paulo. A empresa estará presente em conjunto com sua parceira global, a NEC Corporation.

Na edição deste ano, a A10 Networks apresenta algumas de suas principais soluções, como o TPS (DDoS), GiFW (GiFirewall) e CGNAT, além de abrir o diálogo sobre a transformação digital por meio das conexões 5G, que é a pauta alvo da empresa, que permite o aproveitamento da alta performance da conectividade com a segurança que o avanço demanda.

 A NEC Corporation, parceira global da A10, é uma empresa focada em soluções de rede e tecnologia da informação para empresas, provedores de serviços em telecomunicações e governos. No evento, as marcas reforçam seu bom relacionamento institucional, que se iniciou no último ano com a integração dos serviços de segurança da A10 nos sistemas de infraestrutura NEC 5G, Pré-5G e Virtualização das Funções da Rede (NFV).

 Com o 5G e a LGPD em foco, a A10 Networks protagoniza um momento favorável na transformação digital com suas possibilidades e demandas de segurança, isso porque a empresa possui em seu portfólio soluções como o Thunder Threat Protection System (TPS) – uma robusta proteção contra ataques DDoS, que dentre seus diversos benefícios, está a descoberta automática de serviços, funções de machine learning e possibilidade de mitigação de dados.

Já o GiFW, o Firewall de Próxima Geração da A10 Networks, foi criado para sanar as preocupações de segurança dos provedores de serviços que lidam com ataques DDoS e de rede que podem surgir de diversos vetores, oferecendo proteção abrangente à infraestrutura central de redes móveis. Com isso, é formada uma defesa efetiva contra danos provenientes da rede por dispositivos de IoT e smartphones, ataques da internet na Gi LAN, bem como ataques de redes de parceiros em roaming.

 O tradicional CGNAT continua uma das principais soluções da A10 Networks para ajudar provedores no esgotamento do IPv4 e migração IPv6, bem como o Dual Stack em períodos de transição. Agora a solução já vem integrada com pacotes de proteção que possibilitam os ISPs na oferta de uma rede mais solida e novos serviços.

 “Muitas empresas estão preocupadas em como manter o nível de proteção elevado sem perder em performance ou demorar para atualizar sua infraestrutura para novidades como a conectividade 5G. A A10 Networks já desenvolve soluções pensando nesse futuro, tão próximo, para garantir que nossas tecnologias não sejam um empecilho nessa jornada e o cliente possa garantir a segurança de suas informações ao longo da transição.” – declara Alex Maduro, VP Latam da A10 Networks.

 

A10 compartilha com a NEC projetos para o próximo passo em termos de conectividade

Leia mais ...
Assinar este feed RSS

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes