Menu

Busca do consumidor por crédito cresce 17,2% em novembro, revela Serasa

Com a queda dos juros, o crédito foi o grande impulsionador da economia brasileira neste ano

O Indicador Serasa Experian de Demanda do Consumidor por Crédito mostrou um aumento de 17,2% no volume de solicitações em novembro de 2019. A região Norte impulsionou a alta, apresentando variação positiva de 22,4% no comparativo com o mesmo mês do ano anterior – as demais também tiveram crescimento significativo neste mês. Na análise com outubro/19, houve queda de -4,5%.

 Segundo o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, o crédito foi o grande impulsionador da economia brasileira neste ano, principalmente por conta das quedas sequenciais dos juros nos últimos meses. “Os brasileiros estão mais otimistas na hora buscar crédito e a perspectiva para o próximo ano é ainda melhor, uma vez que o Cadastro Positivo trará novos dados para compor o score dos consumidores”, comenta.

 Uma pesquisa recente da Serasa Experian mostra que 88% das pessoas acreditam que o score pode contribuir para o acesso a crédito no Brasil, sendo que 94% afirmam que o Cadastro Positivo vai influenciar o modelo estatístico de pontuação de crédito, com variáveis que devem incluir os hábitos de pagamento dos clientes e outros detalhes como pontualidade, gastos mais frequentes, montante de renda comprometida, entre outras.

 Renda de R$ 500 a R$ 1000 apresenta maior demanda por oito meses consecutivos

 A população com renda entre R$ 500 e R$ 1000 foi a que apresentou maior crescimento na busca por crédito desde o início do ano. Nestes onze primeiros meses de 2019, o número da faixa ficou acima da média total e desde abril tem crescido mais do que as demais.

 Rabi explica que, normalmente, “aqueles com rendimentos menores têm um comportamento mais volátil. Quando a situação da economia piora, esta parcela populacional sai mais do mercado de crédito. Quando a economia dá sinais de melhora, ela tende a voltar com mais intensidade, e é isso que temos visto ao longo de 2019”.

 

Leia mais ...

Banco do Brasil lança financiamento imobiliário indexado pelo IPCA

 

O pico do IPCA nos últimos cinco anos

O Banco do Brasil aderiu à linha de crédito imobiliário indexada pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo, principal indicador inflacionário do País). A nova modalidade do banco tem como foco o público com renda a partir de R$ 10 mil, financiamento para imóveis residenciais, taxa de 3,45% ao ano (mais IPCA), prazo máximo de financiamento de 15 anos e financiamento de até 70% do valor do imóvel. Clientes com propostas de financiamento imobiliário com índice da TR, mas que ainda não assinaram o contrato, podem solicitar alteração para o IPCA.

 Segundo a advogada Daniele Akamine, sócia da Akamines Negócios Imobiliários e especialista em Economia da Construção Civil, em linhas gerais, esse tipo de indexador pode ser positivo para o comprador em situações de financiamento específicas, geralmente de até cinco anos. Nas operações mais longas, por conta da imprevisibilidade em relação à variação, o mais recomendável é adotar a Taxa Referencial (TR), modalidade predominante no mercado.

 “No Banco do Brasil os contratos atrelados ao IPCA terão taxa de financiamento inicial de 3,45% ao ano, considerando que a previsão é de que o IPCA se mantenha abaixo dos 4% nos próximos anos. Já nos financiamentos indexados pela Taxa Referencial, os juros iniciam em 7,49% ao ano mais TR, que está zerada desde 2017”, explica ela. 

 A questão é que o IPCA tem sido, historicamente, um índice menos previsível, lembra a advogada. “O comprador deve ter em mente que o contrato será reajustado por um índice volátil, logo se a inflação disparar o custo do financiamento aumentará muito”. Como exemplo dessa volatilidade, ela lembra que, nos últimos cinco anos, o pico do IPCA foi de 10,67% ao ano (em 2015), ante 2,01% no caso da TR.

 Embora o financiamento indexado pelo IPCA seja tentador num primeiro momento (pelo fato de as prestações iniciais serem cerca de 15% mais baixas), Daniele recomenda cautela na hora de optar por esse índice. “Nos contratos em que o cliente quitar o imóvel no curto prazo e aproveitar o valor mais baixo da prestação para fazer uma poupança poderá valer a pena a opção pelo IPCA. Mas é sempre importante ter em mente o risco de volatilidade. Além disso, é bom ressaltar que nesse tipo de contrato não existe a possibilidade de portabilidade, ou seja, o cliente terá de seguir com essa modalidade e agente financeiro até o final”. 

foi de 10,67% ao ano (em 2015), ante 2,01% no caso da TR.

Leia mais ...

Cooperativa Viacredi se expande com abertura de unidade no Paraná

Empresa catarinense quer chegar a mais de 800 mil cooperados em 2021

A Viacredi, maior Cooperativa de crédito do Brasil em número de cooperados, lança nesta terça-feira, dia 10 de dezembro, a sua primeira unidade no Paraná, na cidade de São José dos Pinhais. A instituição abrirá duas salas de negócios (esta no bairro Afonso Pena e uma que passa a funcionar em janeiro, no bairro São Pedro), com a possibilidade de uma terceira na cidade. Ao longo dos próximos anos, mais Postos de Atendimento serão inaugurados em Curitiba, Pinhais e Colombo. A abertura destas unidades faz parte da estratégia de expansão da Cooperativa catarinense, que quer chegar a mais de 800 mil cooperados em 2021.

Segundo o diretor executivo, Vanildo Leoni, o Paraná foi escolhido para receber as próximas unidades da Cooperativa por conta do forte potencial econômico e do baixo número de pessoas ligadas a cooperativas na região. “Essas quatro cidades contam com aproximadamente 3 milhões de pessoas, possuem grande potencial econômico e são muito representativas para a força da economia paranaense. Percebemos que há uma baixa presença de cooperativas nessa região e que menos de 2% da população têm vínculos com essas instituições de crédito. Acreditamos que podemos chegar a números semelhantes aos que já temos em Santa Catarina”, explica.

Segundo Leoni, na região do Vale do Itajaí, onde a Cooperativa possui maior presença, cerca de 35% da população é cooperada da Viacredi. O número chega a mais de 50% em algumas cidades, como Blumenau.

De acordo com o executivo, a Cooperativa busca a proximidade com os cooperados, oferecendo melhores oportunidades de crédito, soluções financeiras e orientação para os empreendedores de micro e pequenos negócios. “Queremos estar próximos às pessoas, servindo-as nos bairros e nas comunidades, apoiando o desenvolvimento local, com taxas de juros diferenciadas, soluções financeiras com preços mais acessíveis e toda a orientação que a população necessitar”, afirma.

A abertura oficial da primeira unidade da Viacredi no Paraná acontece na terça-feira, dia 10 de dezembro, às 10 horas, na Rua Almirante Alexandrino, 732, bairro Afonso Pena. O Posto de Atendimento já está aberto para o público desde o dia 18 de novembro, e atende de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 17h30.

 

Leia mais ...
Assinar este feed RSS

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes