Menu

Tecnologia apoia transformação das revendas de bebidas

Com o investimento em novos aplicativos e soluções tecnológicas, Confenar possibilita o aprimoramento das mais de 100 distribuidoras de bebidas Ambev associadas em todo o Brasil

 Em tempos de transformação digital, estar preparado para adotar as principais novidades do mercado é uma tarefa que requer um cuidado especial. Afinal de contas, a mudança constante da tecnologia influencia empresas de todos os portes e segmentos para atualizar suas ferramentas e processos. Para a Confederação Nacional das Revendas Ambev e das Empresas de Logística da Distribuição (Confenar), a inovação é um ponto-chave para o sucesso da distribuição de bebidas. Por isso, alinhada a esse cenário, apoia continuamente as mais de 100 distribuidoras de todo o Brasil na aplicação e até no desenvolvimento de soluções voltadas às diversas áreas da operação, incluindo Compras, Transporte, Armazenamento e Atendimento ao Cliente.

 Com o apoio de especialistas de Tecnologia da Informação, a Confenar conta, atualmente, com um plano de inovação, com participação ativa das Diretorias de TI, de Negócios e de Gente e Capacitação, além da Rede de Revendas. “O objetivo é garantir que a prestação de serviços seja cada vez mais eficiente. Queremos que o revendedor tenha todas as informações necessárias unificadas de maneira digital, com ferramentas que ofereçam funcionalidades para aprimorar a produtividade e impactar positivamente no balanço final das revendas”, diz Erick Nassif, diretor de Tecnologia da Informação na Confenar.

A orientação é para que os colaboradores envolvidos na Rede estejam sempre atentos aos lançamentos tecnológicos que possam facilitar o trabalho das revendas. “A Confederação procura ouvir todos os executivos das distribuidoras, incentivando-os a procurarem por novidades”, afirma Nassif. “Com novas tecnologias, facilitamos o trabalho de todos, o que reverte positivamente para toda a Confenar. Muitas revendas fazem testes com soluções novas e passam a ideia para avaliarmos. Internamente, analisamos se podem ser expandidas e divididas com os demais revendedores, e quais seriam os benefícios em nível nacional. Após aprovação, começamos o processo de divulgação e disponibilização aos interessados pela ferramenta”, explica.

 Os desafios consistem em usar inovações que melhorem aspectos como o armazenamento de estoques, a gestão do dia a dia dos colaboradores, a realização das ordens de entregas, desenvolvimento de produtos específicos para cada cliente e localidade, análise de vendas, entre outros pontos. “São diversos fatores que precisam ser pensados e a tecnologia entra para facilitar a vida de todos que atuam diretamente com o cliente final”, conta o Diretor. “O uso de Inteligência Artificial tem sido muito aplicado em conjunto o Big Data, que consiste no cruzamento de um volume enorme de informações para ajudar, por exemplo, a prever quais produtos têm maior chance em um ponto de venda (PDV) e qual é a quantidade sugerida para a comercialização dessas bebidas. Nosso processo se tornou muito mais assertivo e conectado com o cliente, ajudando inclusive a aumentar as suas vendas”, conta Nassif.

 Entre as principais inovações já utilizadas pela Confenar estão o Power BI, para análises profundas e visuais dos principais indicadores das revendas, e o Touch to Picking (T2P), que otimiza a montagem de cargas por meio de ordem logística e divisão de funções entre colaboradores. “Para 2020, nosso radar está voltado para a revolução que as fintechs têm promovido como a solução de pagamento, iniciativa forte nos grandes centros urbanos e que também está sendo aplicada no mercado das revendas”, afirma Nassif.

 

Leia mais ...

Fujitsu apresenta nova tecnologia de criptografia de informações biométricas para pagamentos

Sistema permitirá ao cliente efetuar pagamentos com mais segurança sem uso de cartões ou dinheiro, graças à leitura das veias da palma da mão

A Fujitsu, líder em tecnologia da informação e da comunicação, anunciou uma inovação capaz de comparar informações biométricas, ainda criptografadas, com a mesma velocidade e precisão dos sistemas convencionais de autenticação usados atualmente. A novidade permitirá que a Fujitsu crie um tipo de sistema alocado em um ambiente seguro na nuvem de dados, que utiliza a biometria para autenticação de pagamentos.

Enquanto os programas convencionais de leitura biométrica tendem a ser lentos e a apresentar problemas no momento da autenticação das digitais, a novidade da Fujitsu melhora significativamente a performance, pois faz a leitura das veias da palma da mão, o que evita as imprecisões das impressões digitais. Assim, ao fazer uma compra, o cliente poderá confirmar sua identidade, utilizando apenas sua palma, abandonando os cartões e senhas.

Desenvolvimento

Nos últimos anos, o uso de autenticação biométrica tornou-se o método mais comum, seguro e conveniente de identificar uma pessoa. Para atender às necessidades do mercado, de possuir um sistema que pudesse identificar clientes apenas utilizando informações biométricas, a Fujitsu vem aprimorando o desenvolvimento de sistemas de autenticação por meio das veias da palma da mão. 

No futuro, a companhia espera fazer o uso cada vez mais amplo desse tipo de identificação em diversos setores, como pagamentos sem cartão e login em sites, por exemplo. 

Por muito tempo, os leitores convencionais de autenticação biométrica só podiam operar em ambientes fechados usando conexões dedicadas. Porém, a implantação de sistemas de autenticação biométrica operando em ambientes abertos via internet se tornará possível no futuro, já que as pessoas vão pagar suas compras em grandes redes de lojas, utilizando formas de pagamento eletrônicas.

Desafios

Para realizar a leitura biométrica em larga escala de maneira mais segura e em um ambiente aberto, as informações devem ser criptografadas e enviadas a um servidor de autenticação, assim, são agrupadas enquanto estão criptografadas. Porém, os sistemas convencionais, em geral, convertem os dados em códigos simples (uma sequência numérica) e os multiplica por um valor aleatório. O sistema se deteriora à medida que o código fica muito extenso, o que resulta em um tempo de leitura maior e precisão menos eficiente. Por isso, algumas questões precisavam ser resolvidas antes que a tecnologia da Fujitsu pudesse ser comercializada.

Principais características da nova tecnologia desenvolvida pela Fujitsu

1. Melhoria na precisão de comparação

Ao utilizar um sistema de autenticação biométrica, o dado biométrico de um usuário é capturado e comparado à informação previamente registrada. O grau de similaridade entre os dois é o que determina se a biometria será ou não autenticada. A ferramenta gera códigos que não comprometem a precisão da comparação, uma vez que ajusta dinamicamente o tamanho da área da imagem que será transformada em código. Isso limita as alterações no grau de similaridade dos valores convertidos.

2. Redução no tempo de processamento

A tecnologia convencional de conversão gera um código a partir da análise dos dados da imagem biométrica completa fazendo com que o processamento seja longo e demorado. Por isso, a Fujitsu desenvolveu um sistema que pode selecionar automaticamente as áreas da imagem que tenham um impacto mais significativo no momento da comparação. Ao atenuar a proliferação de códigos, é possível obter alta velocidade de autenticação, com o mesmo nível dos sistemas que não convertem imagens em códigos numéricos.

Efeitos

A Fujitsu fez testes utilizando sistemas convencionais e a nova tecnologia da empresa com dados de 10 mil mãos e confirmou que ambas oferecem, mais ou menos, a mesma precisão de comparação e tempo de processamento. 

Além disso, a empresa combinou a tecnologia de geração de código, anunciada em 2013, que pode gerar múltiplos códigos a partir de uma única informação biométrica. Como resultado, é possível utilizar informações variáveis de acordo com os diferentes serviços de autenticação biométrica, resultando em mais eficiência e menor possibilidade de vazamento de dados.

Assim, tornou-se possível usar com segurança sistemas de autenticação biométrica que antes exigiam servidores e redes dedicadas na nuvem. Isso traz à tona um futuro em que as pessoas poderão fazer pagamentos com as próprias mãos, usando um sistema de autenticação biométrica seguro e protegido.

Planos futuros

 

A Fujitsu continuará a aumentar a velocidade de processamento da tecnologia recém-desenvolvida, com o objetivo de comercializá-la durante o ano de 2020.


 

Leia mais ...

SoftwareONE lança podcast quinzenal sobre tecnologia corporativa

O primeiro episódio do ONECast estreia em 13 de janeiro com o tema “Vai ficar com a versão desatualizada do seu SQL Server? Saiba só as consequências...”

 O público de tecnologia agora conta com opção de podcast gratuita para desvendar os bits e bites da transformação digital e da nuvem corporativa. A empresa global SoftwareONE, líder em soluções de tecnologia para a nuvem e software de ponta a ponta, está lançando o ONECast, podcast voltado a gestores de TI, empreendedores e amantes da tecnologia.

A proposta é reunir quinzenalmente profissionais do mercado para uma conversa sobre tendências, atualizações dos principais fabricantes de software, dicas de gestão de nuvem e portfólio de software, transformação digital e colaboração. O ONECast busca desvendar o universo de inovação de um jeito mais descontraído e leve. O primeiro episódio será exibido no dia 13 de janeiro, com o tema “Vai ficar com a versão desatualizada do seu SQL Server?”

“Vamos estrear com um bate papo entre Fábio Hara, Senior Cloud Solution Architect da Microsoft, que vai conversar com Richard Souza, especialista de soluções de nuvem da SoftwareONE. Vamos falar de algo que vai impactar o mercado, o fim do suporte do Microsoft SQL Server 2008 e Windows Server 2008 e as reais consequências para as empresas, incluindo prejuízos potenciais”, explica Milena Pinheiro, especialista em marketing digital da SoftwareONE.

“Estamos muito animados em poder gerar discussões aprofundadas.  O mundo bits e bites tem muitas nuances e os podcasts são uma opção muito interessante, pois além de permitir uma abordagem completa, pode ser ouvido em qualquer lugar e a qualquer hora”, afirma Milena. A estreia do primeiro episódio ONECast terá aproximadamente 30 minutos e estará disponível no Spotify, Deezer e Podcast Connect.

O episódio 2 do ONECast será com o tema: “Aderi ao Skype 4Biz e a Microsoft vai desativá-lo. E agora?” O convidado da SoftwareONE será o especialista da Microsoft, Vicente Oliveira, que cuida da área Digital Transformation - Customer Success - Modern Workplace. 


Em seguida, o ONECast apresentará um podcast sobre o tema “Sério mesmo que seu Backup ainda é em fita?”. Os convidados serão os executivos da Commvault, Simone Aguiar e Marcio D’Alessandro.

Leia mais ...
Assinar este feed RSS

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes