Menu

Trabalho remoto acelera transformação digital das empresas

Antes da pandemia, segundo a Frost & Sullivan, cerca de 5% dos trabalhadores de escritórios faziam home office regularmente em nível global. Hoje, o percentual bate em quase 50%.

 

Desde que teve início essa nova era do distanciamento social, milhões de empregados estão trabalhando remotamente de suas casas, muitos deles pela primeira vez em suas carreiras. O uso de ferramentas de colaboração, videoconferência e comunicações unificadas se multiplicou. Mas, ao mesmo tempo, muitas empresas não possuíam um plano de continuidade dos negócios robusto o suficientemente para fazer esta transição. Mediante esse cenário, a Avaya Holdings Corp. (NYSE: AVYA) , provedora global de soluções de comunicações e a colaboração, e a consultoria Frost & Sullivan compartilharam estratégias e ferramentas tecnológicas para enfrentar a "nova realidade" gerada pelo trabalho remoto na América Latina.

"As comunicações corporativas não voltarão a ser as mesmas depois do coronavírus. Antes da pandemia, estimava-se que 5% de todos os colaboradores em escritórios trabalhavam em um esquema de home office regularmente. Hoje, esse número se multiplicou quase por dez. Mundialmente, cerca da metade dos trabalhadores estão cumprindo suas funções remotamente. Quando essa crise terminar é possível que metade deles faça seu trabalho de casa de forma regular”, observa Juan Manuel González, diretor de Investigação de Tecnologias de Informação e Comunicações da Frost & Sullivan.

Para lidar com a situação de risco sem precedentes, sem tamanho e alcance, acarretada pela covid-19, que tem como elementos centrais o isolamento e o trabalho remoto, a Frost & Sullivan recomenda aos empresários: "Responder, reiniciar e crescer". A metodologia de trabalho desenvolvida captura os problemas principais que enfrentam hoje aqueles que estão com a responsabilidade pela transformação digital em suas empresas e propõe três equipes distintas: gestão de crise, transformação digital e crescimento.

De seu lado, a Avaya preconiza que a tecnologia possa ser adaptada para o usuário e seja muito simples para que as equipes de trabalho possam colaborar de maneira eficiente através de um computador ou dispositivo móvel.

Colaboração na nuvem

"A situação gerada pela covid-19 impulsionou a transformação digital nas empresas, que começaram a adotar novas tecnologias de colaboração na nuvem, como o Avaya Spaces. Tanto que registramos um aumento de 2.500% no uso da plataforma. As empresas precisam ter um ambiente de colaboração não apenas no nível interno, como também em um ambiente que permita haver comunicação no mesmo nível com clientes e fornecedores. Elas têm que agir rápido e fazer com que sua plataforma tecnológica seja intuitiva, fácil de usar e de implementar, além de ser compatível com qualquer outra tecnologia", comenta Gabriel López, gerente de Desenvolvimento de Negócios na Nuvem da Avaya.

A adoção da tecnologia depois do coronavírus, segundo a fornecedora, vai ser determinada por diversos fatores:

• Os orçamentos de TI serão afetados pela crise econômica;

• Os modelos "as a service" vão prosperar, não apenas em termos de software, como também hardware, incluindo dispositivos;

• O crescimento exponencial da nuvem tem demonstrado ser uma verdadeira prova da capacidade dos fornecedores durante épocas desafiadoras, como as atuais;

• Muitos fornecedores de dispositivos ou hardware terão que colocar à prova seu inventário e cadeia de abastecimento;

• A adoção de ferramentas de tecnologia no futuro seguirá condicionada à segurança, compilação de dados e privacidade do usuário.

 

Leia mais ...

Iniciativa vai apoiar projetos de transformação digital para acelerar a retomada da economia no ABC Paulista

Movimento Coalização ABC Digital envolve agentes econômicos, públicos e de fomento, bem como instituições de ensino e de capacitação profissional 

Os sete municípios da região do ABC Paulista serão apoiados pela Coalização ABC Digital (CABCD) para viabilizar o desenvolvimento de projetos digitais essenciais para a recuperação da economia pós-pandemia.

Criada em julho/2019 por um grupo de 13 entidades lideradas pelo Instituto MicroPower , é a primeira iniciativa regional concebida como um braço para apoiar a implementação de forma mais rápida, eficaz e efetiva de projetos que estejam alinhados às 100 ações estratégicas da E-Digital - Estratégia Brasileira para Transformação Digital, criada pelo Decreto 9319/2018.

A previsão da E-Digital é adicionar US$ 115 bilhões ao PIB brasileiro até 2023. Deste montante, o valor potencial que pode ser agregado ao PIB do Estado de São Paulo é de US$ 35 bilhões e na Região do ABC é de US$ 1,5 bilhão. 

Segundo Francisco Antonio Soeltl, curador da Coalização e CEO da MicroPower Global, o Propósito da CABCD é fomentar projetos que contribuam com a operacionalização da E-Digital nos sete Municípios da Região do ABC: Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. 

“Está no planejamento da CABCD que sua experiência possa ser replicada para as principais regiões do Estado de São Paulo e do País como forma de agilizar a implementação de projetos digitais que serão vitais para o desenvolvimento econômico pós-pandemia”, destaca o executivo. 

Atualmente compõem a CABCD 30 entidades, sendo três universidades do ABC (FEI, IMT – Mauá e UFABC), entidades das áreas de RH e de tecnologia, bem como empresas consolidadas e startups. Conta também com o apoio dos Ministérios da Economia, Cidades, MCTIC e da Secretaria de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia do Governo do Estado de São Paulo. 

“Acreditamos que sem a participação das entidades e profissionais de RH o Propósito da CABCD fica mais difícil de ser executado e alcançado. Nesse sentido, apostamos na realização de Webinars Pessoa 5.0 para disseminarmos e tratarmos do papel do novo RH 5.0, como protagonista da Transformação Digital”, afirma Ary Silveira Bueno, um dos curadores, fundador da ASPR Auditoria, Consultoria e Contabilidade e COO da Ew2health – Sinque, startup holandesa. 

Pesquisa “Mapeamento de Demandas de Profissionais de TIC” 

Objetivando atender as demandas nas profissões atuais e emergentes dos agentes econômicos e públicos, a CABCD está realizando pesquisa para mapear demandas por especialidades e as ofertas para a capacitação da Força de Trabalho Digital, para atender a transformação digital e contribuir com a operacionalização do Eixo Habilitador: Educação e Capacitação Profissional, conforme a E-Digital.

“Desenvolvemos esta pesquisa, que estamos aplicando em prol da Região do ABC, mas também de São Paulo e do Brasil”, afirma Roberto Ribeiro da Cruz, fundador e Presidente do Conselho Administrativo da Pixeon Soluções Hospitalares, também curador da CABCD. 

“Usaremos os resultados para trabalharmos a capacitação de jovens em TIC, em especial os mais carentes, e para ajudarmos na transformação digital das Pessoas 5.0, para atender as demandas da Indústria 4.0 e atender o novo Consumidor 5.0”, finaliza Ribeiro da Cruz. 

A multinacional QLIK, com suas soluções e especialistas, está contribuindo nas análises e recortes da Pesquisa, com previsão de divulgação dos resultados até 29/05/2020.

Ary Silveira Bueno, curador da Coalização ABC Digital e fundador da ASPR Auditoria, Consultoria e Contabilidade

 

Leia mais ...

Original acelera crescimento durante a crise e atinge 3,5 milhões de clientes

Houve um salto de 382% na base de correntistas nos últimos 12 meses. Números retratam uma busca acentuada do público por serviços digitais, sobretudo durante a pandemia.

 

O Original, banco digital, acaba de atingir a marca de 3,5 milhões de clientes. O resultado faz parte de um crescimento acelerado da base de correntistas, que teve um salto de 382% nos últimos 12 meses. Para 2022, o objetivo é chegar a 10 milhões de correntistas.

A expansão decorre de uma forte procura que já vinha sendo registrada nos últimos anos, mas que foi acentuada durante a pandemia: a de os consumidores buscarem cada vez mais serviços digitais. Somada a isso, a aceleração no número de clientes deve-se também a uma série de benefícios anunciados recentemente pelo Original e que favorecem pessoas físicas, microempreendedores e empresas.

"Entendemos que no Brasil já existia uma demanda por serviços bancários digitais, porém agora essa necessidade passa a ser de serviços 100% digitais e de forma ampla, acelerada durante a atual pandemia. E nosso crescimento reflete essa tendência, bem como a qualidade de nosso portfólio e dos nossos serviços", afirma Alexandre Abreu, presidente do Banco Original.

"Os 3,5 milhões de clientes representam um marco importante para o banco, sendo que apenas neste ano foram mais de 500 mil novos clientes que escolheram o Original para se relacionar", complementa.

Facilidades na área de crédito

Durante a pandemia, o Banco Original de imediato promoveu facilidades na área de crédito, entre elas: taxa zero para pagamento de boleto no cartão de crédito; redução de juros para o parcelamento voluntário do cartão; e prazo de 90 dias para pagamento de parcela de renegociação de dívida e para parcelamento de saldo de contratos.

Além disso, foi observado que os clientes estavam indicando o Original para receberem o auxílio emergencial oferecido pelo governo. Assim, o banco aumentou em 10% este valor em crédito na conta corrente para ajudar esses clientes.

Uma outra medida que está disponível para os correntistas diz respeito à restituição do Imposto de Renda. A instituição disponibiliza 10% a mais no valor final da restituição para os contribuintes que receberem pelo banco, no limite de 500,00 reais.

O banco também oferece para o público microempreendedor (MEI, EI e EIRELI) a Conta Pessoa Única, voltada a facilitar a gestão financeira de forma totalmente digital. A solução une, em um único app, as contas pessoa física e jurídica. E, no mês de junho, o Original planeja o lançamento do Original Sociedades, que visa o atendimento às organizações com mais de um sócio (Ltda.) de maneira 100% digital.

 

Leia mais ...
Assinar este feed RSS

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes