Menu

Pure Storage espera atingir vendas globais de US$ 1 bilhão no próximo ano

Paulo de Godoy, sales country manager da Pure Storage Brasil Paulo de Godoy, sales country manager da Pure Storage Brasil

Líder na plataforma flash, empresa aposta em armazenamento com alta performance e com custo mais baixo de TCO

Ao apoiar projetos avançados em várias aplicações de TI, a Pure Storage espera fechar o próximo ano fiscal com faturamento global de US$ 1 bilhão. A empresa – que se posiciona como fornecedora independente e líder de plataformas de dados totalmente flash para a era da nuvem – faturou mais de US$ 700 milhões no último período contábil. Ela integra a categoria de líderes do Quadrante Mágico do Gartner, pelo quarto ano consecutivo, na categoria arrays de estado sólido (SSAs). 

Aplicações como Big Data, analytics, inteligência artificial e a expansão da infraestrutura na nuvem demandam crescente capacidade de armazenar informações que precisam ser acessadas rapidamente por empresas de vários setores, como bancos, varejo, telecom, saúde etc. Cada vez mais, o mundo corporativo depende do bom desempenho dos recursos computacionais, o que inclui um sistema de armazenamento mais rápido, mais eficiente e com o TCO (custo total de propriedade, em português) mais atraente. 

“A tecnologia flash mudou tudo, pois garante uma performance fantástica e permite que a solução de armazenamento ocupe um espaço físico menor e reduza o consumo de energia, com a Lei de Moore a seu favor”, destaca Paulo de Godoy, sales country manager da Pure Storage Brasil, em entrevista concedida para o portal de Executivos Financeiros. A Lei de Moore traduz o crescente poder de processamento dos computadores. Quando comparado ao desempenho das CPUs e à comunicação das redes, o armazenamento era mais lento até a tecnologia flash fazer a diferença. 

Os sistemas da empresa oferecem desempenho dez vezes superior quando comparado ao sistema de discos. A cada meio petabyte trocado pelo armazenamento flash, o cliente pode obter, conforme cálculos da Pure Storage, uma economia de US$ 1 milhão/ano, além de permitir que um funcionário de tempo integral participe de projetos estratégicos. As vantagens são oferecidas pelo modelo Evergreen que funciona como Saas e nuvem. “A Pure inovou também na sua forma de abordar o mercado, no seu modelo de comercialização para garantir a atualização de forma mais simples e fácil”, explica Godoy. 

O modelo comercial tem o objetivo de fazer com que os investimentos dos clientes sejam válidos por um período de dez anos ou mais. “Fugimos do discurso comum de quantos terabytes você precisa para rodar o Big Data ou analytics. Queremos facilitar e oferecer um produto que não tenha valores exorbitantes de manutenção”, enfatiza o executivo. 

Os ganhos para os usuários, segundo o entrevistado, podem ser expressivos e garantir agilidade nas análises. Ele menciona o exemplo de um cliente na indústria farmacêutica: a empresa coletava uma série de informações nos seus pontos de venda, porém precisava de pelo menos uma semana para processar os dados. Com as soluções Pure Storage, o tempo foi reduzido para uma hora e foi proporcionada uma maior riqueza de suas análises.

Crescimento sustentado 

Presente na América Latina desde outubro de 2014, a empresa tem escritórios no Chile, Colômbia e México e aposta na expansão no continente. Para isso, conta com uma infraestrutura de distribuidores e revendas, além de outros parceiros. No Brasil, a crise econômica vem representando um entrave e os clientes apostam mais na renovação de contratos de manutenção e suporte. Entre os cases de sucesso no País, o executivo menciona o Tribunal de Contas da União (TCU), o UOL e o Grupo Angeloni, uma das maiores redes varejistas de nosso mercado. 

Os números globais do 1º trimestre de 2017 – referentes ao período de fevereiro a abril – mostram que os negócios da companhia só crescem. A receita foi superior a US$ 180 milhões, aumento de 31% em relação a igual período do ano passado. Ela continuou a buscar uma rentabilidade maior, batendo 12 pontos em relação a 2016. A saúde financeira da empresa também é destaque, pois houve investimentos superiores a US$ 500 milhões e uma dívida zerada. “Nossa empresa tem uma estrutura financeira protegida e não faz parte de sua estratégia vendê-la”, diz Godoy. 

A verdade é que o segmento vive uma movimentação de grandes players que optaram por ampliar sua participação por meio de aquisições. Um exemplo recente é a HP que comprou a Nimble, fabricante de soluções híbridas de storage. A Dell optou por ampliar sua linha com a compra da NetApp e a EMC, entre outras aquisições. 

Parceria com a Cisco 

Inovação é a marca registrada da Pure Storage. No ano passado, ela mostrou uma configuração de petabyte-scale da sua família FlashArray//M e aumentou sua colaboração com a Cisco, parceira estratégica, para incrementar a plataforma de infraestrutura convergente conjunta “FlashStack”. 

A companhia desenvolveu projetos para FlashStack que incluem Citrix, Commvault, Oracle, SAP e VMware. A solução conjunta já possui milhares de implementações em mais de 30 países. "A Cisco e a Pure Storage geram inovações que oferecem uma combinação única de desempenho, simplicidade e eficiência para infraestrutura de datacenters", diz Nirav Sheth, VP da Cisco. 

Outro destaque apresenta as melhorias no programa Evergreen Storage, que agora inclui uma garantia NVMe. Em abril, a Pure Storage anunciou o primeiro all-flash, all-NVMe, FlashArray//X para o mercado. Entre as novidades, destaca-se a nova versão da solução FlashBlade, que promete aumentar em cinco vezes a capacidade de armazenamento com mais desempenho e segurança no acesso à informação.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes