Menu

Iniciativas digitais do governo causam mudanças culturais

Jander Martins, CEO da Nexaas Jander Martins, CEO da Nexaas

Obrigatoriedades como SPED Fiscal e e-Social incentivam a busca da inovação e o uso de tecnologia

Os investimentos em tecnologia não param. De acordo com uma pesquisa realizada pela FGV, nem mesmo em decorrência da crise as empresas brasileiras deixaram de pensar em inovação. Isso acontece em virtude da dinâmica do mercado, pois aquelas instituições que não se preocupam com tecnologia são deixadas para trás. Além disso, a automação de diversas atividades proporciona níveis de produtividade nunca alcançados antes.

E essa desburocratização está atingindo, além do setor privado, o governo. O SPED Fiscal trouxe para o país uma nova relação entre o Fisco e as empresas, sendo responsável pela escrituração digital da Receita Federal. Isto é, o governo passou a ter acesso mais rápido e fácil às obrigações fiscais e acessórias, eliminando a necessidade de entrega de documentos em papel, reduzindo assim a burocracia.

De acordo com Jander Martins, CEO da Nexaas, companhia de tecnologia da informação que conecta empresas e negócios através de um ERP modular, essa nova relação com as entregas à Receita Federal torna obrigatória a forte presença da tecnologia nas empresas. "Em muitas companhias, a chegada da inovação é tão disruptiva que é preciso uma mudança cultural para que todos consigam incorporá-la ao seu dia a dia. Entretanto, essa é uma ação fundamental, em especial em um momento de nova relação com o governo".

E esse novo laço se estreitou ainda mais em 2018 com a obrigatoriedade do e-Social. O Sistema Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas, tem como objetivo unificar o envio de todas as informações relativas ao cadastro de funcionários das empresas aos órgãos federais. Inclui assim o RH no rol de departamentos que devem manter suas informações em dia com a Receita Federal, o Ministério do Trabalho, a Caixa Econômica Federal e o INSS.

Com a obrigatoriedade do e-Social, a forma de fiscalização das informações trabalhistas vai ser alterada, ocorrendo de forma online. Hoje, uma empresa só é fiscalizada quando o Ministério do Trabalho solicita os registros respectivos a cada colaborador. A entrega das obrigações acessórias também acontecerá de forma mais simples: a folha de pagamentos, o livro de registro e o formulário de seguro serão apresentados de forma padronizada e automatizada.

Apesar de parecer que as autuações ficam mais perto, o intuito é que as empresas e os órgãos saiam ganhando em conjunto, aumentando a regulamentação e controles de dados. Entretanto, um software de gestão da contabilidade da empresa passa a ser peça importante no controle e organização, diminuindo as intervenções manuais e dando fácil acesso a consultas rápidas a todas as informações necessárias ao e-Social.

"A tendência é que as iniciativas digitais do governo alcancem cada vez mais setores das companhias. Por isso, processos automatizados e que unifiquem informações necessárias ao e-Social ou qualquer outra entrega se tornam indispensáveis. Essa transformação cultural e digital das empresas, se não acontecer demandada internamente, vai ser devido às novas exigências do governo brasileiro. A tecnologia se tornou um apoio para a adaptação aos novos tempos", finaliza Jander Martins. 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo
Info for bonus Review William Hill here.

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes