Menu

Inteligência Artificial em debate

Inteligência Artificial em debate Arte: Thânia Werneck

As máquinas dotadas de IA poderiam avaliar diferentes situações por conta própria, resolver problemas imprevistos tão bem ou quem sabe até melhor que seres humanos

Por: Diretoria de Tecnologia do BB

O termo Inteligência Artificial se refere à existência de inteligência contida em máquinas. Esse termo já foi tema de pesquisas em diferentes áreas, desde neurociência, computação e até nos campos da linguística. Há muito tempo se investiga como fazer uma máquina espelhar o comportamento de um cérebro humano. As máquinas dotadas dessa “inteligência” poderiam avaliar diferentes situações por conta própria, resolver problemas imprevistos tão bem ou quem sabe até melhor que seres humanos.

E isso é possível? Nos filmes sim e até muito mais, usando sistemas inteligentes que pensam com autonomia e independência. Na realidade, temos um quadro bem mais modesto, onde a máquina é considerada inteligente quando reage a estímulos e executa algoritmos preestabelecidos... Mas pasmem, estamos avançando e muito! O que se tem pela frente é bem promissor e há muito investimento envolvido.

A história da Inteligência Artificial nem sempre foi assim e mostra alguns séculos sombrios no campo de pesquisas, experimentos isolados e períodos de longos invernos (ausência de financiamento e descrédito).

Uma coisa é certa, a fixação do homem em criar uma máquina inteligente, que o substitua em tarefas, vem de longa data. No ano de 1754, W.Von Kempelen criou “The Mechanical Turk” um robô com aparência humana que jogava xadrez e outros jogos sobre um tabuleiro. Essa invenção ganhou fama mundial, derrotou grandes mestres e figuras ilustres como Napoleão Bonaparte e Benjamin Franklin. O robô era, na verdade, uma ilusão que enganou milhares de pessoas por 84 anos. Um mestre de xadrez humano ficava escondido dentro da máquina para operá-la. Era uma inteligência artificial… artificial.

Mas o tempo passou e junto surgiram evoluções em todas as áreas.  As mentes e os paradigmas mudaram, as tecnologias e as inovações surgiram numa rapidez nunca antes imaginada e grandes avanços em Inteligência Artificial (IA) foram constatados pelo mundo nas últimas décadas.

Hoje você escuta sua música num aplicativo e ele aprende que você gosta de um determinado estilo e, assim, toma a decisão de oferecer mais músicas no seu estilo favorito. As redes sociais, da mesma forma, sugerem amigos e produtos, conforme a análise do seu perfil e comportamento. A biometria tomou conta do acesso aos prédios e acesso às contas bancárias nos terminais eletrônicos. As tecnologias e recursos de IA transformaram o nosso dia a dia. Hoje são incontáveis e não sabemos mais viver sem eles.

No infográfico a seguir, dê um passeio no tempo pela história da Inteligência Artificial (este texto prossegue logo depois do infográfico):

 

Atualmente, a Inteligência Artificial vem ganhando força com o investimento de grandes empresas como Facebook, Microsoft, Google, Oracle, Amazon, Apple, Ebay, Baidu, entre outros gigantes do Vale do Silício.

A explosão do Big Data não trouxe somente a extração de um volume absurdo de dados, trouxe também a extração do próprio conhecimento, daqueles dados complexos, não triviais, que, quando analisados e interpretados, são fundamentais para a tomada de decisões, para a realização de mudanças, inclusive nos próprios modelos de negócios.

O dado é fundamental, mas quando sozinho perde o valor, precisa ser manipulado e analisado. Mas como tratar um grande volume de dados?  Utilizando algoritmos, pois nenhum ser humano tem, em tempo hábil, essa capacidade de análise e interpretação. Aí que surge a atual Inteligência Artificial, repleta de conhecimentos, usufruindo de equipamentos de alta capacidade de processamento e executando todo tipo de tarefa, desde as mais simples, como a sugestão de amigos no Facebook, até as mais complexas como “ensinar” a um carro dirigir sem motorista.

No último dia 25, Elon Musk, presidente-executivo da Tesla, trocou farpas com Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, em um evento que reuniu os maiores influenciadores de tecnologia no mundo e tratava dos perigos do desenvolvimento da Inteligência Artificial – mais especificamente, se os robôs se tornarão, algum dia, inteligentes o suficiente para matar seus criadores humanos.

Musk falou que é fundamental que os governos regulem o uso da Inteligência Artificial e prevê cenários perigosos para a humanidade, oriundos do desenvolvimento da IA. Zuckerberg, ao contrário, se declarou otimista em relação ao futuro da Inteligência Artificial e complementou dizendo que não entende o motivo pelo qual algumas pessoas desenham cenários apocalípticos e irresponsáveis relacionados à IA. A discussão ganhou manchetes pelo mundo inteiro.

E quem será que tem razão? É uma questão para se analisar, mas o que é claro é a importância da Inteligência Artificial como o assunto do momento. E você? Está preparado para o que vem por aí?

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo
Info for bonus Review William Hill here.

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes