Menu

Entrevista: Fabiano Droguetti - TIVIT

Entrevista: Fabiano Droguetti - TIVIT

Fabiano Droguetti, diretor de Operações da Área de Gestão de Infraestrutura de TI, com foco em aplicações, da Tivit, traça em linhas gerais - nesta entrevista concedida a Guilherme Berriel, editor-chefe do portal da EF - um perfil da empresa, falando de suas origens, de suas principais áreas de atuação, dos projetos que vem realizando e dos planos de expansão de negócios, o que inclui a globalização de atividades.

 

PARTE 1

A Tivit, segundo o entrevistado, centra sua atuação no provimento de serviços de TI para grandes empresas (mercado “high-end”), mas de dois anos para cá passou atender também empresas de médio porte. O foco é fazer o outsourcing de processos de gestão, seja de TI, seja de negócios. Nos últimos anos, a fornecedora tirou proveito da onda do “cloud”, buscando ofertar melhores níveis de qualidade de serviços.

Droguetti fala também das origens da Tivit, que surgiu da fusão de três empresas – Optiglobe, Proceda e Telefutura –, tendo aberto capital em 2008/2009. Em 2010, o controle foi assumido pelo grupo internacional de investidores Apax, que depois adquiriria a totalidade das ações. O faturamento da Tivit no ano passado foi de aproximadamente de R$ 2,1 bilhões.

PARTE 2

Fabiano Droguetti fala dos carros-chefes da empresa, explicando que seu mercado mais importante é o financeiro, com destaque para a área de meios de pagamento (débito, crédito, voucher e m-payment). Um cliente importante é a SIP, para a qual foi desenvolvido o sistema de DDA (Débito Direto Autorizado). Boa parte do processamento de crédito e débito no Brasil (Visa e MasterCard) passa pela Tivit, englobando todos os bancos. Outro setor importante na carteira é o de manufatura.

PARTE 3

O entrevistado descreve a infraestrutura de atendimento da Tivit. A empresa dispõe hoje de 40 sites no Brasil e na América Latina. Abriga nove data centers, três já existentes anteriormente e mais seis (espalhados pela América Latina) vindos com a aquisição recente da chilena Synapsis. Hoje a provedora presta serviços em todas as capitais do País e agora eles serão estendidos para o continente graças ao negócio com a Synapsis. Ademais, ao longo do tempo, a Tivit adquiriu várias empresas de nicho que trouxeram expertises adicionais. Hoje, ela mobiliza cerca de 28 mil funcionários.

PARTE 4

Somando-se todos os serviços, a vertical finanças responde por mais da metade das receitas da empresa, incluindo-se aí o atendimento a bancos, seguradoras, processadoras de cartões como a Fidelity, entre outros clientes que integram as cadeias de valor da área. Também entram nos números os serviços de BPO, desenvolvimento de sistemas, infraestrutura, atendimento ao usuário em campo, atendimento a agências, etc. Uma área, em especial, que está crescendo bastante é a de “cloud”, a qual está mais do que dobrando a cada ano. Em 2014, cumpriu-se o resultado previsto, com expansão de dois dígitos. Porém, para 2015, a perspectiva é bastante preocupante. Espera-se que a atuação no Exterior possa ajudar a contrabalançar os altos e baixos do Brasil.

PARTE 5

A Tivit está apostando nas ondas de mobilidade e de “cloud”, trazendo os serviços das plataformas tradicionais para estas novas realidades, com a mesma qualidade. A área em que trabalha o entrevistado tem a missão de ajudar os clientes a fazer essa transição. A Tivit, segundo ele, tem uma série de produtos de software e estruturas de desenvolvimento flexíveis que ajudam neste processo.

PARTE 6

Entre os canais bancários, o Mobile banking vem crescendo enormemente. Mas o Brasil, constata Droguetti, ainda enfrenta o problema da carência de infraestrutura de banda larga e os preços elevados dos dispositivos móveis, ao contrário do que se verifica nos EUA. Naquele país, todos os projetos contemplam a mobilidade, o que deverá ocorrer também por aqui.

PARTE 7

A Tivit realiza a manutenção evolutiva dos produtos, refazendo o software ou, por exemplo, colocando um “front-end”, uma camada de apresentação mais amigável, sem deixar de usar o legado. A empresa domina as tecnologias Cobol, Java, .NET, SAP, entre outras. Há cerca de mil profissionais mobilizados nestas atividades, dispersos pelo País.

PARTE 8

O entrevistado fala dos mercados no Exterior, destacando o potencial da América Latina, em países como o Chile e o Peru, que registram crescimento bastante acentuado em TI. Há, segundo ele, muitas oportunidades a explorar, com carência muito grande de bons provedores.

PARTE 9

As perspectivas para a atuação da Tivit daqui para a frente são de seguir desenvolvendo tecnologias de acordo com as demandas dos clientes, avançando por exemplo em mobilidade e “cloud”. Há muitos sistemas legados que têm de ser adaptados.

PARTE 10

Na área em que trabalha o entrevistado, há maior demanda por terceirizar aplicações do que por terceirizar a infraestrutura. A Tivit desenvolveu, por exemplo, um produto para controlar o deslocamento de profissionais que prestam atendimentos, apostando na carência de soluções para facilitar a mobilidade urbana de colaboradores.

1 Comentário

  • Osvaldo Pereira Munhoes

    Parabéns pelo conteúdo desta entrevista, fui ex-Proceda na década de 90, hoje a TiviT é nosso cliente e parceiro em soluções de apoio a aplicações críticas de negócio.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo
Info for bonus Review William Hill here.

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes