Menu

WGSN traz os principais movimentos do mercado que vão impactar varejistas

WGSN traz os principais movimentos do mercado que vão impactar varejistas

A Inteligência Artificial é o motor da inovação em todas as partes da cadeia de valor e realidade nos negócios

Especializada em análises e previsões de tendências, a WGSN mapeou alguns dos fatores que vão impulsionar o futuro do varejo. 

Gastar virou ato político

As mudanças políticas influenciam o consumo – é essencial saber onde e como os produtos são feitos. Por essa razão, marcas precisam ter seu posicionamento alinhado aos interesses dos clientes, principalmente em faixas mais jovens.

A Make it British, por exemplo, descobriu que 93% dos consumidores britânicos pagaria mais por roupas, alimentos e outros itens feitos no país. Em 2013, eram 50%. Outros casos? Avon com ação contra violência feminina “Você não está sozinha”. 

Intimidade baseada em dados

Conforme os varejistas coletam mais dados dos usuários, a inteligência emocional ganha destaque. Por isso, marcas devem encontrar novos caminhos para criar relações mais íntimas com os consumidores.

A plataforma da Alexa identifica o humor do usuário por meio do tom de voz para melhor atendê-lo mostra como a tecnologia pode ser fundamental para ter mais proximidade de seus consumidores. 

Mais privacidade

A preocupação com a privacidade terá grandes consequências, visto que os consumidores começam a compartilhar menos informações on-line.

Vale destacar que os usuários passarão a controlar melhor seus dados. Para ter ideia deste movimento, no ano passado, 44% dos usuários do Facebook entre 18 e 29 anos deletaram o app de seu aparelho, e 64% deles ajustaram suas configurações de privacidade. 

O anseio da privacidade mudará a forma de lidar com eles e será necessário criar estratégias para conquistar a confiança dos clientes.

Ativações que incentivem as pessoas a se desconectarem, como parceria Childish Gambino e a Adidas é um bom exemplo de ação neste sentido. 

Inteligência Artificial em tudo

A IA é motor de inovação em todas as partes da cadeia de valor e realidade nos negócios. Segundo uma pesquisa do MIT Technology Review e da Genesys, 90% dos executivos entrevistados usam IA para melhorar a experiência de compra.

Além disso, 70% dos respondentes que implementaram a IA disseram ter aumentado sua receita. Novamente, a Adidas se antecipa aos anseios dos consumidores e movimentações do setor e ao produzir sapatos feitos de plástico retirado dos oceanos. 

Sustentabilidade

Os consumidores anseiam por uma experiência de consumo mais ecológica nas lojas. Por isso, reduzir as sobras, usar menos plástico em produtos, utilizar energias renováveis e cadeias de suprimento responsáveis estarão cada vez mais em voga.

Os varejistas devem considerar estratégias atreladas a questão para reduzir o uso dos recursos em sua cadeia de suprimentos e gerar nova fonte de receita.

Para sair na frente, a rede IKEA já sinalizou que se tornará exportadora de seu excedente de energia até 2020.

Lojas como serviços

Criar estratégias para trazer inovações às lojas continua em alta. Para isso, varejistas e empreendedores buscarão espaços comerciais flexíveis e que seja possível disponibilizar pequenos espaços para novas marcas, com contratos de aluguel de curto prazo. Exemplo? Loja de departamentos Neighborhood Goods, que congrega marcas de origem digital em pequenos espaços alugados na loja. 

Vender por meio de histórias

Os conteúdos em vídeo ganham destaque como a próxima tendência chave do consumo. Aproveitar o consumo ávido de tecnologias como uma nova oportunidade de levar conteúdos mais longos aos usuários que contem com dispositivos mais interativos.

Jenna Lyons, ex-diretora de criação, desenvolveu uma série de conteúdo com itens compráveis em parceria com a Turner Entertainment em 2019. 

Redesenhando o deliver

Ganham força as entregas em casa sem a presença do morador, e isso demanda estratégias dos varejistas. Neste sentido, varejista vão aperfeiçoar métodos de entrega para oferecer cada vez mais conveniência a seus clientes e diminuir custos.

iFood Box, armário com nichos e isolamento térmico, no qual entregador deixa o pedido e não precisa esperar pelo usuário na portaria já virou exemplo.

As portas do armário só podem ser destrancadas com o app. Isto permite, também, que o morador possa fazer o pedido antes de chegar em casa, sem precisar se preocupar com a hora que a comida será entregue. 

Relações mais próximas com os produtos

Os consumidores desejam ter um papel maior no ciclo de vida dos produtos que compram e abrem portas para novas oportunidades.

O mercado de manutenção e revenda: mais que prolongar a vida útil dos produtos, há um interesse em participar de seu processo de criação.

A App Studio Connect, da Target, já permite que clientes frequentes participem da Co criação dos produtos e deem sua opinião, em troca de vales presente. 

Mais? 

Outros fatores a serem considerados, que estão impulsionando este mercado desde 2017: Experiência integrada (humanos e tecnologia); Invista em comando de voz (Alexa); Custo benefício e geração Y; Significado de compra; Experiências são os produtos. 

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Finanças

TI

Canais

Executivos Financeiros

EF nas Redes